Skip to content

Vacina Sputnik V da Rússia é 91,6% eficaz contra COVID-19

Vacina Sputnik V da Rússia é 91,6% eficaz contra COVID-19
A vacina Sputnik V da Rússia apresenta 91,6% de eficácia contra a doença COVID-19 em um teste já em estágio final, de acordo com

A vacina Sputnik V da Rússia apresenta 91,6% de eficácia contra a doença COVID-19 em um teste já em estágio final, de acordo com novos resultados. Os resultados contrastam com as mensagens de autoridades de saúde dos EUA, incluindo o Dr. Anthony Fauci, que semeou sérias dúvidas sobre a vacina, depois que foi lançada na Rússia por não ter estudos avançados sobre sua segurança e eficácia.

Os resultados preliminares foram publicados no The Lancet na terça-feira e são baseados em dados coletados de 19.866 participantes, dos quais cerca de três quartos (14.964) receberam duas doses da vacina e um quarto (4.902) receberam um placebo.

“Nossa análise provisória deste ensaio da fase 3 da vacina Gam-COVID-Vac mostrou resultados promissores”, destacaram os autores do estudo, escrevendo posteriormente: “Nossa análise provisória de ensaio randomizado, controlado e na fase 3 na Rússia mostrou alta eficácia, imunogenicidade e um bom perfil de tolerabilidade em participantes com 18 anos ou mais.”

A equipe de pesquisadores russos obteve a eficácia da vacina de 78 casos de COVID-19 que surgiram entre todos os participantes do teste três semanas após a primeira dose.

Resultados

Foram confirmados com covid-19 a partir do segundo dia da primeira dose da vacina:

  • 16 participantes (0,1%) de 14.964 do grupo vacinal
  • 62 participantes (1,3%) de 4.902 do grupo placebo

Com resultado do teste a eficácia da vacina foi de 91,6%.

Após pelo menos 21 dias da dose inicial, não houve casos de COVID-19 moderado a grave no grupo vacinal, mas 20 casos surgiram no grupo placebo, traduzindo para 100% a eficácia vacinal contra estágios mais graves da doença.

Os pesquisadores sugeriram que a vacina de Adenovírus Recombinante de duas doses induziu uma resposta imune, inclusive entre idosos e foi bem tolerada: 45 (0.3%) de 16.427 participantes vacinados e 23 (0,4%) de 5.435 pessoas que receberam o placebo apresentaram eventos adversos graves, mas esses efeitos colaterais graves não foram considerados relacionados à vacina.

Os efeitos colaterais mais comuns foram “doença semelhante à gripe, reações no local da injeção, dor de cabeça” e fraqueza, segundo o estudo.

Também foram notificados quatro óbitos entre os participantes do estudo, (três no grupo vacinal),mas nenhum foi encontrado associado à vacina. dois óbitos foram ligados ao COVID-19; “Esses dois participantes provavelmente já estavam infectados com SARS-CoV-2 no momento da randomização e vacinação”, conforme relataram os médicos. A outra morte envolveu uma fratura na coluna. A morte no grupo placebo foi de um derrame hemorrágico.

Várias incógnitas permanecem, como a duração da proteção e o funcionamento da vacina em adolescentes, crianças e gestantes.

Nota-se que a maioria dos participantes do estudo era branca e os pesquisadores russos disseram que “acolhem uma investigação mais diversificada em um grupo mais diverso”.

Finalmente, a equipe observou que a partir de 23 de janeiro, mais de 2 milhões de doses da vacina Sputnik V já foram administradas ao público na Rússia, principalmente em populações de alto risco e trabalhadores essenciais, como profissionais de saúde e educadores.

“Os ensaios clínicos de fase 1/2 da vacina foram concluídos em agosto de 2020 “, escreveram os autores do estudo.” Os resultados mostraram que a vacina foi bem tolerada e altamente imunogênica em participantes saudáveis.Como resultado, a vacina candidata foi provisoriamente aprovada na Rússia de acordo com a legislação nacional. “

Os pesquisadores também estão analisando um regime de dose única da vacina.

Os resultados da eficácia da vacina excedem aqueles recentemente anunciados pela Johnson & Johnson, que viu sua vacina de injeção única contra o coronavírus revelar 66% de eficácia na prevenção de COVID-19 em estados de moderado a grave em um ensaio global. No entanto, as vacinas de mRNA desenvolvidas pela Pfizer BioNTech e Moderna são 94,5% e 95%  eficazes contra a doença COVID-19, respectivamente.

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Leia fatos científicos, não ficção... Nunca houve um momento mais importante para valorizar o conhecimento baseado em evidências e apresentar os avanços científicos e tecnológicos.

Exposição a poluentes causa aumento de danos radicais livres e acelera envelhecimento

Estudo indica que beber café está associado redução de risco de desenvolver doenças hepáticas

Pesquisadores identificam genes responsáveis pelo processo de envelhecimento saudável

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?