Skip to content

Novo desfibrilador implantado sob a pele reduz complicações de pacientes sem tocar o coração

Novo desfibrilador implantado sob a pele reduz complicações de pacientes sem tocar o coração
Um novo tipo de desfibrilador implantado sob a pele pode detectar ritmos cardíacos perigosamente anormais e efetuar choques para restaurar o batimento cardíaco, sem

Um novo tipo de desfibrilador implantado sob a pele pode detectar ritmos cardíacos perigosamente anormais e efetuar choques para restaurar o batimento cardíaco, sem que os fios toquem o coração, de acordo com novas pesquisas.

O novo estudo canadense descobriu que pacientes de alto risco que precisam de desfibriladores para prevenir a parada cardíaca poderão ter menos complicações com um tipo de dispositivo implantado sob a pele.

Diferente dos desfibriladores cardíacos tradicionais (ICD) que incluem fios de condução elétrica inseridos em vasos sanguíneos que tocam o coração, o desfibrilador cardíaco implantável subcutâneo (S-ICD®), implantado abaixo dos poros e da pele ligeiramente abaixo da axila da pessoa afetada, não contém qualquer colocação de leads ou fios de condução elétrica. Como substituto, o S-ICD tem uma pista que corre abaixo dos poros e da pele, ao lado do osso do peito.

“O S-ICD é agora uma alternativa atraente para a TV-CID, particularmente em pacientes com risco aumentado para complicações relacionadas ao chumbo”, acrescenta Healey, professor de cardiologia da McMaster e eletrofisiologista do HHS.

Healey apresentou os resultados do estudo no Heart Rhythm 2022 em São Francisco, CA. O estudo envolveu 544 pacientes elegíveis (um quarto do sexo feminino) com idade média de 49 anos, em 14 centros clínicos no Canadá.

Eles foram eletrocardiograficamente examinados; 251 pacientes foram randomizados para S-CID e 252 pacientes para TV-CID, onde foram acompanhados por uma média de 2,5 anos, o acompanhamento e estudo ainda está em andamento.

O estudo incluiu pacientes elegíveis à CID de 18 a 60 anos que tinham síndrome cardiogenética ou apresentavam alto risco de complicações relacionadas ao chumbo.

O estudo superou as metas estabelecidas pela Food and Drug Administration dos EUA para avaliar a segurança e a eficácia do novo dispositivo:

  • Noventa e nove por cento dos pacientes com CID® S permaneceram livres de complicações 180 dias após a implantação, em comparação com uma meta de 79%.
  • Quando testada por um ritmo anormal induzido propositalmente após a implantação, a CID-S® foi 100% eficaz na detecção consistente e reversão da fibrilação ventricular. A meta da FDA é de 88%.

O S-ICD é agora uma alternativa atraente para a TV-CID porque reduz consideravelmente as complicações perioperatórias relacionadas ao chumbo sem comprometer significativamente o desempenho da CID, e a também possui a vantagem da durabilidade, ele dura mais tempo porque não há tanta flexibilidade na fiação. Os fios em desfibriladores implantáveis padrão precisam ser flexíveis para passar através dos vasos sanguíneos para o coração.

Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

O que é a Varíola dos macacos e você deve se preocupar com o surto na Europa?

Exposição a poluentes causa aumento de danos radicais livres e acelera envelhecimento

Estudo indica que beber café está associado redução de risco de desenvolver doenças hepáticas

Deixe um comentário


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?