Skip to content

Estudo indica que beber café está associado redução de risco de desenvolver doenças hepáticas

Estudo indica que beber café está associado redução de risco de desenvolver doenças hepáticas
De acordo com um estudo publicado na revista BMC Public Health, beber café com cafeína (moído ou instantâneo) ou descafeinado está associado a um

De acordo com um estudo publicado na revista BMC Public Health, beber café com cafeína (moído ou instantâneo) ou descafeinado está associado a um risco reduzido de desenvolvimento de doença hepática crônica e doenças hepáticas relacionadas.

Pesquisadores das Universidades de Southampton e Edimburgo, no Reino Unido, descobriram que beber de qualquer tipo está associado a um risco reduzido de desenvolver e morrer de doença hepática crônica em comparação com não beber café.

Os autores estudaram os dados do UK Biobank de 495.585 participantes e que foram acompanhados por uma média de 10,7 anos para monitorar quem desenvolveu doença hepática crônica e doenças hepáticas relacionadas.

De todos os participantes incluídos no estudo, 78% (384.818) consumiam café moído ou instantâneo com cafeína ou descafeinado, enquanto 22% (109.767) não bebiam nenhum tipo de café. Durante o período do estudo, houve 3.600 casos de doença hepática crônica, incluindo 301 mortes. Além disso, houve 5.439 casos de doença hepática crônica ou esteatose (um acúmulo de gordura no fígado também conhecido como doença hepática gordurosa ) e 184 casos de carcinoma hepatocelular, um tipo de câncer de fígado.

Em comparação com os que não bebiam café, os que bebiam café tinham um risco reduzido de 21% de doença hepática crônica, um risco reduzido de 20% de doença hepática crônica ou gordurosa e um risco reduzido de 49% de morte por doença hepática crônica. O benefício máximo foi observado no grupo que bebeu café moído, que contém altos níveis dos ingredientes Kahweol e cafestol, que se mostraram benéficos contra doenças crônicas do fígado em animais.

O café instantâneo, que tem baixos níveis de Kahweol e cafestol, também foi associado a uma redução do risco de doença hepática crônica. Embora a redução no risco seja menor do que a associada ao café moído, a descoberta pode sugerir que outros ingredientes, ou potencialmente uma combinação de ingredientes, podem ser benéficos.

Dr. Oliver Kennedy, o autor principal, disse: “O café é amplamente acessível e os benefícios que vemos em nosso estudo podem significar que ele pode oferecer um potencial tratamento preventivo para doenças crônicas do fígado. Isso seria especialmente valioso em países com renda mais baixa e pior acesso aos cuidados de saúde e onde o fardo da doença hepática crônica é maior.”

Os autores alertam que, como o consumo de café foi relatado apenas quando os participantes se inscreveram no estudo, o estudo não leva em consideração quaisquer mudanças na quantidade ou tipo de café que eles consumiram durante o período de estudo de 10,7 anos. Como os participantes eram predominantemente brancos e de um background socioeconômico mais elevado, os resultados podem ser difíceis de generalizar para outros países e populações.

Os autores sugerem que pesquisas futuras poderiam testar a relação entre o café e a doença hepática com um controle mais rigoroso da quantidade de café consumida. Eles também propõem validar suas descobertas em grupos mais diversos de participantes.

Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Exposição a poluentes causa aumento de danos radicais livres e acelera envelhecimento

Pesquisadores identificam genes responsáveis pelo processo de envelhecimento saudável

O que é o Movimento Global ‘Projeto Comprar Nada’?

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?