Skip to content

Mais eficiente do que plantar culturas o cultivo de alimentos com ar e energia solar é possivel

Mais eficiente do que plantar culturas o cultivo de alimentos com ar e energia solar é possivel
Uma equipe de pesquisadores do Instituto Max Planck de Fisiologia Molecular Vegetal, da Universidade de Nápoles Federico II, do Instituto Weizmann de Ciências e

Uma equipe de pesquisadores do Instituto Max Planck de Fisiologia Molecular Vegetal, da Universidade de Nápoles Federico II, do Instituto Weizmann de Ciências e da Escola Porter de Meio Ambiente e Ciências da Terra descobriu que fazer alimentos do ar seria muito mais eficiente do que cultivar culturas. Em seu artigo publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences, o grupo descreve sua análise e comparação da eficiência das culturas de cultivo (soja) e utilizando uma técnica de alimentos do ar.

Por vários anos, pesquisadores de todo o mundo têm olhado para a ideia de cultivar “alimentos do ar”, combinando um recurso de combustível renovável com carbono do ar para criar alimentos para um tipo de bactéria que cria proteína comestível. Um desses projetos é a Solar Foods, na Finlândia, onde os pesquisadores têm o objetivo de construir uma planta de demonstração até 2023. Nesse novo esforço, os pesquisadores buscaram comparar a eficiência do cultivo de uma cultura básica, a soja, com o cultivo de alimentos a partir do ar.

Para fazer suas comparações, os pesquisadores usaram um sistema de alimentos do ar que usa painéis de energia solar para produzir eletricidade, que é combinado com dióxido de carbono do ar para produzir alimentos para micróbios cultivados em um biorreator. A proteína que os micróbios produzem é então tratada para remover ácidos nucleicos e em seguida, seca para produzir um pó adequado para consumo por humanos e animais.

Eles compararam a eficiência do sistema com um campo de soja de 10 quilômetros quadrados. Sua análise mostrou que o cultivo de alimentos a partir do ar era 10 vezes mais eficiente do que o cultivo de soja no solo. Dito de outra forma, eles sugeriram que um pedaço de terra de 10 quilômetros quadrados na Amazônia usado para cultivar soja poderia ser convertido em um pedaço de terra de um quilômetro quadrado para cultivar alimentos do ar, com os outros nove quilômetros quadrados voltados para o crescimento da floresta selvagem. Eles também observam que a proteína produzida utilizando a abordagem alimentar do ar teve o dobro do valor calórico que a maioria das outras culturas, como milho, trigo e arroz.

Fonte PNAS

Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Leia fatos científicos, não ficção... Nunca houve um momento mais importante para valorizar o conhecimento baseado em evidências e apresentar os avanços científicos e tecnológicos.

Regdanvimab promissora terapia de anticorpos para tratamento de pacientes com coronavírus

Cientistas descobrem uma nova classe de células de memória no cérebro

Uma rede artificial mantida na ‘Borda do Caos’ age como um cérebro humano

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?