Skip to content

A cápsula lunar chinesa retornou à Terra com as primeiras amostras frescas de rocha e detritos da Lua em mais de 40 anos

A cápsula lunar chinesa retornou à Terra com as primeiras amostras frescas de rocha e detritos da Lua em mais de 40 anos
A missão Chang’e-5 da China pousou no distrito de Siziwang, no meio da noite nas planícies escuras e congeladas da Mongólia Interior e fez

A missão Chang’e-5 da China pousou no distrito de Siziwang, no meio da noite nas planícies escuras e congeladas da Mongólia Interior e fez um retorno seguro por volta das 13h EST de hoje , informações cedidas pela mídia estatal chinesa .

O retorno da cápsula marca a primeira vez que a China coleta e traz para a terra rochas da Lua, também é a primeira vez que uma nação realizou o feito desde 1976.

Chang’e-5 foi coletou amostras de rocha perto de Mons Rümker, que é uma formação vulcânica isolada que está localizada na parte noroeste do lado próximo da Lua, e que pode ter entrado em erupção há cerca de 1,3 bilhões de anos. Embora os cientistas não saibam exatamente quanta rocha a missão coletou até que a cápsula seja aberta, a missão mostrou o que acredita ser o terreno mais jovem de Mons Rümker, diz Long Xiao, geocientista planetário da Universidade de Geociências da China. “Estamos muito felizes com o local de pouso, é para onde queríamos ir.”

Como foi a jornada:

A cápsula se separou de seu módulo orbital e realizou um salto fora da atmosfera terrestre para reduzir sua velocidade antes de passar e flutuar para o chão em paraquedas.

Dois dos quatro módulos do Chang’e 5 caíram na lua em 1º de dezembro e coletaram cerca de dois quilos de amostras, retirando-as da superfície e perfurando dois metros na crosta lunar.

As amostras foram depositadas em um recipiente selado que foi levado de volta ao módulo de devolução por um veículo de subida.

cápsula lunar chinesa
Esta imagem de simulação gráfica fornecida pela Administração Espacial Nacional da China mostra a combinação do orbitador e do retornador da sonda Chang’e 5 da China após sua separação do ascendente. (Administração Espacial Nacional da China / Xinhua via AP)

Equipes de recuperação prepararam helicópteros e veículos off-road para pegar sinais emitidos pela espaçonave lunar para localizá-lo na escuridão, cobrindo a vasta região coberta de neve no extremo norte da China, usada há muito tempo como local de pouso para as naves espaciais tripuladas da China Shenzhou.

A missão bem sucedida foi o mais recente avanço para o programa espacial cada vez mais ambicioso da China, que inclui uma missão robótica a Marte e planos para uma estação espacial em órbita permanente.

Acredita-se que essas rochas e detritos sejam bilhões de anos mais jovens do que os obtidos pelos EUA e pela antiga União Soviética, oferecendo novas percepções sobre a história da Lua e outros corpos no sistema solar.

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Planetas com a massa da Terra estão à deriva na Via Láctea

Regdanvimab promissora terapia de anticorpos para tratamento de pacientes com coronavírus

Cientistas descobrem uma nova classe de células de memória no cérebro

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?