Skip to content

Encontrada flor de 100 milhões de anos preservada em âmbar

Encontrada flor de 100 milhões de anos preservada em âmbar
Assim como dinossauros, répteis estranhos e insetos infernais, viveram milhões de anos atrás em nosso planeta, havia também plantas pré-históricas que hoje, não existem

Assim como dinossauros, répteis estranhos e insetos infernais, viveram milhões de anos atrás em nosso planeta, havia também plantas pré-históricas que hoje, não existem mais.

Um exemplo é a Valviloculus pleristaminis descoberta por pesquisadores da OSU, uma nova espécie e gênero, aprisionado dentro do âmbar de 100 milhões de anos atrás.

Science Tech News

Uma bela flor que existia em florestas pré-históricas, a flor masculina é minúscula, com cerca de 2 milímetros de largura, e tem cerca de 50 estames dispostos em espiral, com as antenas voltadas para o céu, o estame é a parte da flor masculina que produz pólen, enquanto a antenas é a cabeça produtora de pólen do estame. A flor é um exemplo de angiosperma (a planta com flor clássica),provavelmente pertence à ordem Laurales, em particular com alguma semelhança com as famílias Monimiaceae e Atherospermataceae.

‘Apesar de ser tão pequeno, o detalhe que ainda resta é incrível’, disse Poinar, autor de um relatório sobre a descoberta no Journal of Botanical Research Institute no Texas.

Science Tech News
O paleontólogo da OSU, George Poinar Jr, mostra um pedaço de âmbar. O trabalho do especialista de renome mundial na análise de plantas e animais encontrados na substância pré-histórica inspirou Michael Crichton a escrever Jurassic Park.

Ele e seus colegas da OSU e do Departamento de Agricultura chamaram a flor, que é um novo gênero e espécie de Valviloculus pleristaminis.

O espécime provavelmente fazia parte de um cacho de uma planta com flores semelhantes, acrescentou Poinar, ‘algumas possivelmente fêmeas’.

Além de sua beleza, a flor fossilizada é notável devido à jornada que fez: ela floresceu no antigo supercontinente Gondwana e foi envolta em âmbar antes de pegar uma carona em uma placa continental conhecida como Bloco da Birmânia Ocidental.

Essa placa mudou lentamente a Austrália para o Sudeste Asiático, uma viagem de 6500 quilômetros.

Há um debate contínuo sobre quando o Bloco da Birmânia Ocidental se separou de, que eventualmente se dividiu em África, América do Sul, Austrália, Antártica, o subcontinente indiano e a Península Arábica.

Alguns geólogos colocaram a data em 500 milhões de anos atrás, enquanto outros teorizam ser mais próxima de 200 milhões de anos atrás.

Mas, de acordo com Poinar, as angiospermas só evoluíram e se diversificaram há cerca de 100 milhões de anos.

Isso significa que o Bloco da Birmânia Ocidental não poderia ter se quebrado antes disso, disse ele, ‘o que é muito mais tarde do que as datas que foram sugeridas’.

A descoberta de outras plantas desse gênero poderia resolver o mistério sobre o antigo supercontinente Gondwana, em suma, uma grande descoberta que pode nos ajudar a explicar nosso passado.

Poinar é um especialista de renome mundial na análise de plantas e animais encontrados no âmbar, em 2013, Poinar descobriu um pedaço de âmbar com a evidência mais antiga de reprodução sexual em uma planta com flor, um cacho de 18 minúsculas flores do período Cretáceo.

O momento de congelamento no tempo inclui tubos microscópicos crescendo a partir de grãos de pólen e penetrando no estigma, parte do sistema reprodutor feminino da flor.

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Regdanvimab promissora terapia de anticorpos para tratamento de pacientes com coronavírus

Quanto tempo uma pessoa pode viver no século 21?

Cientistas descobrem uma nova classe de células de memória no cérebro

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?