Skip to content

Um fragmento de cometa pode ter extinto os dinossauros, e não um asteroide

Um fragmento de cometa pode ter extinto os dinossauros, e não um asteroide
Em nova teoria astrônomos sugerem que não foi um asteroide, mas a gravidade de Júpiter empurrou um cometa em direção ao Sol, o cometa

Em nova teoria astrônomos sugerem que não foi um asteroide, mas a gravidade de Júpiter empurrou um cometa em direção ao Sol, o cometa se quebrou em pedaços pelas forças das marés solares e sua gravidade, um dos fragmentos maiores destes “estilhaços” acabou sendo arremessado ou no caminho de volta colidiu com a Terra a cerca de 66 milhões de anos atrás extinguindo os dinossauros.

Em um novo artigo publicado na Scientific Reports, os astrônomos de Harvard oferecem esta nova teoria alternativa, onde um fragmento de cometa originário de um campo de detritos na borda do nosso sistema solar conhecido como nuvem de Oort foi jogado fora do curso pela gravidade de Júpiter em direção ao Sol.

Pesquisadores da Universidade de Harvard analisaram a mecânica do sistema solar, incluindo cometas na nuvem de Oort e seus movimentos ao longo de milhões de anos.

Eles descobriram que uma proporção significativa de objetos desta região gelada do sistema solar pode ter seu “curso alterado” pelo campo gravitacional de Júpiter e lançado em direção da Terra.

Cientistas acreditavam que se tratava de um asteroide que há 66 milhões de anos atingiu e criou uma cratera de 15 quilômetros  de largura e 19 quilômetros de profundidade ao largo da costa do México, matando os dinossauros e cerca de três quartos de toda a vida na Terra.

Um fragmento de cometa pode ter extinto os dinossauros, e não um asteroide
Um fragmento de cometa pode ter extinto os dinossauros, e não um asteroide

O estudante de graduação Amir Siraj explicou: “O sistema solar age como uma espécie de máquina de pinball.

Júpiter, o planeta mais massivo, arremessa cometas para o centro de nosso sistema e a medida que passam perto do sol, os cometas apelidados de sungrazers ou cometa rasante (cometa rasante é um cometa que passa muito perto do Sol no periélio) podem experimentar poderosas forças marítimas que os quebram em pedaços da rocha, a parte do cometa mais perto do sol sente uma atração gravitacional mais forte do que a parte que é mais longe, resultando em uma força de maré através do objeto.

“Você pode obter o que é chamado de evento de interrupção das marés, no qual um grande cometa se divide em muitos pedaços menores e na viagem de volta à nuvem de Oort, que há maior probabilidade de que um desses fragmentos atinja a Terra.”

O estudo publicado hoje na Nature’s Scientific Reports, pesquisadores dizem que com novos cálculos foi possível ter uma nova taxa de impacto e é consistente com a idade de Chicxulub, fornecendo uma explicação satisfatória para sua origem e outros impactos como ele.

“Estamos sugerindo que, de fato, se você quebrar um objeto à medida que ele se aproxima do sol, ele pode dar origem à taxa de eventos apropriada e também ao tipo de impacto que matou os dinossauros.”

Evidências encontradas em Chicxulub sugerem que a rocha era composta de condrito carbonáceo e a nova teoria poderia explicar essa composição incomum. Apenas cerca de um décimo dos asteroides do cinturão principal têm uma composição de condrito carbonáceo, enquanto presume-se que a maioria dos cometas de longo período o têm.

Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Regdanvimab promissora terapia de anticorpos para tratamento de pacientes com coronavírus

Cientistas descobrem uma nova classe de células de memória no cérebro

Uma rede artificial mantida na ‘Borda do Caos’ age como um cérebro humano

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?