Skip to content

Cientistas encontram blocos de construção de DNA em asteroides

Cientistas encontram blocos de construção de DNA em asteroides
Cientistas descobriram blocos de construção de DNA em meteoritos que pousaram na América do Norte e Austrália, relata a Reuters, sugerindo que

Cientistas descobriram blocos de construção de DNA em meteoritos que pousaram na América do Norte e Austrália, relata a Reuters, sugerindo que os ingredientes básicos para a vida podem ter se originado no espaço sideral.

Até agora, os cientistas tinham detectado três (citosina, uracil e timina, e seus isômeros estruturais como isocitesina, ácido imidazol-4-carboxílico e 6-metiluracil) dos cinco produtos químicos básicos que compõem DNA e RNA.

Mas em um novo estudo publicado na revista Nature Communications, uma equipe de pesquisadores liderada por Yasuhiro Oba, astroquímico da Universidade de Hokkaido, no Japão, detalha sua última descoberta: as duas peças de quebra-cabeça desaparecidas.

As duas nucleobases (também conhecidas como bases nitrogenadas),purina e pirimidina, foram descobertas em meteoritos que caíram no Canadá, nos EUA e na Austrália entre 1950 e 2000.

A descoberta, feita por uma equipe internacional junto com pesquisadores da NASA, e descrita no artigo publicado na Nature Communications, fornece mais evidências de que reações químicas em asteroides podem fazer alguns dos ingredientes da vida, que poderiam ter sido entregues à Terra antiga por impactos de meteoritos ou talvez a queda de poeira.

A descoberta que identificou as duas últimas nucleobases – citosina e timina – que até agora lograram os cientistas, tinham sido evasivas em análises anteriores provavelmente por causa de sua estrutura mais delicada, que pode ter se degradado quando os cientistas extraíram amostras anteriormente.

Nos experimentos anteriores, os cientistas criaram uma espécie de “chá de meteorito”, colocando grãos de meteorito em um banho quente para deixar as moléculas no extrato da amostra na solução e em seguida analisaram a composição molecular do caldo extraterrestre. Desta vez a equipe usou água fria para extrair os compostos em vez de ácido fórmico quente, que é muito reativo e poderia ter destruído essas moléculas frágeis em amostras anteriores.

Além disso, foram empregadas análises mais sensíveis que poderiam captar quantidades menores dessas moléculas.

“Ainda há muito a aprender sobre os passos químicos que levaram à origem da vida na Terra – o primeiro sistema auto-replicante”, disse Danny Glavin, cientista da NASA e coautor do estudo, à Reuters. “Esta pesquisa certamente se soma à lista de compostos químicos que estariam presentes no prebiótico da Terra (existente antes do surgimento da vida).”

Outros componentes, além das cinco nucleobases, também são necessários para a vida se formar, incluindo aminoácidos, açúcares e ácidos graxos. Mas a descoberta é uma nova pista fascinante.

“Os resultados atuais podem não elucidar diretamente a origem da vida na Terra”, disse Oba à Reuters, “mas acredito que eles podem melhorar nossa compreensão do inventário de moléculas orgânicas na Terra primitiva antes do início da vida”.

A pesquisa pode mudar a forma como entendemos os primeiros processos que permitiram que a vida se formasse em nosso planeta pouco tempo depois da formação do sistema solar.

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Regdanvimab promissora terapia de anticorpos para tratamento de pacientes com coronavírus

Cientistas descobrem uma nova classe de células de memória no cérebro

Uma rede artificial mantida na ‘Borda do Caos’ age como um cérebro humano

Deixe um comentário


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?