Skip to content

Ajustar vacinas COVID-19 as manterá eficazes contra novas variantes

Ajustar vacinas COVID-19 as manterá eficazes contra novas variantes
Desde os primeiros dias da pandemia COVID-19, especialistas alertaram que o primeiro lote de vacinas criadas contra o vírus pode não ser o último.

Desde os primeiros dias da pandemia COVID-19, especialistas alertaram que o primeiro lote de vacinas criadas contra o vírus pode não ser o último. Como todos os vírus, este sofreria mutações e eventualmente, essas mutações poderiam tornar o vírus diferente o suficiente para que uma vacina diferente fosse necessária para combatê-lo. Apenas dois meses após a campanha de vacinação, os pesquisadores estão se preparando para essa inevitabilidade.

Há evidências iniciais da África do Sul de que tanto os candidatos à vacina Novavax quanto os candidatos à vacina Johnson e Johnson não são tão eficazes contra uma forma variante do vírus identificado pela primeira vez no país, chamada B.1.351. Os tiros ainda oferecem alguma defesa e ainda protegem contra internação e morte. Pesquisas preliminares indicam que as vacinas COVID-19 já autorizadas nos Estados Unidos, feitas pela Moderna e pela Pfizer/BioNTech, também ainda bloquearão essa variante.

Os primeiros casos conhecidos de infecção por esta cepa foram relatados nos EUA esta semana. E mesmo que sua vacina pareça ser parcialmente eficaz contra a variante, a empresa farmacêutica Moderna anunciou esta semana que está começando a trabalhar em outra versão de sua vacina COVID-19. Será mais especificamente direcionado para B.1.351. É uma boa jogada baseada no que os pesquisadores sabem até agora, diz Dylan Morris, que estuda a evolução viral na Universidade da Califórnia, em Los Angeles. “Eu diria que é prudente, em vez de uma emergência”, diz ele.

O sangue extraído de pessoas vacinadas com a vacina Moderna COVID-19 tinha anticorpos que bloqueavam o vírus B.1.351, mostrou nova pesquisa. No entanto, levou cerca de seis vezes mais deles para bloquear esta cepa do que a forma predominante do vírus contra o que a vacina foi projetada. A vacina COVID-19 da Pfizer e da BioNTech também produz anticorpos que bloqueiam vírus com mutações encontradas no B.1.351, embora seja preciso um pouco mais deles também, mostrou pesquisas preliminares.

Ambas as vacinas autorizadas produzem altos níveis de anticorpos para começar, então há espaço para uma leve queda na potência. Esse ponto de partida alto significa que há mais uma almofada contra as mudanças no vírus, disse Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, em uma coletiva de imprensa na semana passada.

Uma das razões pelas quais a Moderna ainda pode querer atualizar sua vacina é manter esses impressionantes níveis de anticorpos, diz Stephen Goldstein, que estuda virologia evolutiva na Universidade de Utah. Um tiro adicional projetado para atingir a nova variante poderia teoricamente aumentar a resposta de anticorpos do corpo, mesmo contra um inimigo mais formidável. “Estamos em boa forma pelo menos como nos próximos meses com essas novas variantes, mas talvez gostaríamos de voltar a esses níveis realmente, muito altos de anticorpos neutralizantes que é a característica de destaque dessas vacinas”, diz ele.

Parte da incerteza vem porque os cientistas ainda não sabem quais níveis de anticorpos alguém precisa gerar para ser protegido do COVID-19. “Não podemos simplesmente fazer um experimento em um laboratório e dizer que é hora de atualizar a vacina”, diz Goldstein. “Há um pouco de adivinhação envolvido.”

Existem algumas maneiras diferentes para os pesquisadores tirarem algumas das adivinhações da equação. Os cientistas puderam medir os níveis de anticorpos de pessoas que foram vacinadas, mas ainda adoeceram com o COVID-19, e identificar o corte onde a vacina não era protetora. Eles também poderiam comparar a eficácia de uma nova vacina que gera uma alta resposta de anticorpos com uma versão mais antiga dessa vacina com menor potência. Modelos animais também podem funcionar. Em dezembro, uma equipe analisou a relação entre proteção e números de anticorpos em macacos descobrindo que níveis relativamente baixos bloqueavam o vírus.

As pessoas estão trabalhando para medir isso  e tentam ter uma visão melhor do que as coisas que são fáceis de medir como anticorpos que nos dizem sobre o que mais nos interessa, que é o quão bem você pode estar protegido contra doenças”, diz Morris.

Os cientistas já têm essa informação sobre vírus mais conhecidos, como a gripe. Pesquisadores e reguladores sabem quais níveis de anticorpos a vacina contra a gripe precisa gerar para fornecer proteção suficiente contra a gripe. Eles não precisam fazer um teste clínico completo para testar o quão eficaz é uma nova vacina contra a gripe, em vez disso, a Food and Drug Administration aprovará novas vacinas contra a gripe com base na resposta de anticorpos que eles geram em um teste em um pequeno grupo de pessoas. Uma vez que uma vacina contra a gripe atinge esse limite e é aprovada, essa empresa pode modificá-la contra cada nova cepa de gripe sazonal sem ter que coletar novos dados clínicos. Idealmente, os pesquisadores eventualmente serão capazes de fazer algo semelhante para as vacinas COVID-19.

Science Tech News

Pode levar alguns meses até termos uma boa compreensão da quantidade de resposta imune que corresponde à proteção do COVID-19. Quando o fizerem, a FDA pode assinar vacinas atualizadas ou de reforço com base em dados que mostram que uma nova versão pode pressionar o corpo a gerar esse nível de resposta imune, em vez de pedir que as empresas passem por testes clínicos.

“A FDA já pensou no desenvolvimento de um caminho potencial, caso sejam necessários mudanças nas vacinas COVID-19 autorizadas ou outros produtos com base em informações sobre variantes emergentes”, tuitou a comissária interina da FDA, Janet Woodcock.

A decisão de empurrar qualquer vacina de reforço e vacinas ajustadas também deve levar em conta o quanto de uma nova forma do vírus está circulando em uma determinada área, diz Goldstein. Neste momento, há apenas dois casos confirmados de pessoas nos Estados Unidos infectadas com a cepa de vírus B.1.351, embora possa haver outros que não foram identificados. “Ainda é muito raro fora da África do Sul, então não queremos vacinar as pessoas nos EUA contra a tensão que não está presente nos EUA”, diz Goldstein.

Eventualmente, pode se tornar mais difundido, e pode fazer sentido dar às pessoas essa proteção adicional. É por isso que é encorajador que a Moderna esteja preparando os reforços agora. “Queremos estar preparados caso o vírus se torne mais prevalente”, diz Goldstein. Outras cepas do coronavírus que são mais capazes de escapar das vacinas existentes também podem surgir no futuro. “Acho que será muito bom alinhar o lado tecnológico e regulatório das coisas antes do tempo, para se e quando precisarmos lançar uma atualização de vacinas”, diz Morris.

Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Leia fatos científicos, não ficção... Nunca houve um momento mais importante para valorizar o conhecimento baseado em evidências e apresentar os avanços científicos e tecnológicos.

Pesquisadores identificam genes responsáveis pelo processo de envelhecimento saudável

Mudanças climáticas impactam na produtividade agrícola em 21% desde a década de 1960

Idoso sul-coreano morre após receber vacina da Pfizer

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?