Skip to content

Hipótese sobre a existência da vida em Vênus desaparece: fosfina detectada era dióxido de enxofre

Em setembro 2020, um grupo de cientistas divulgou a descoberta de Vênus de um gás que, na Terra, é produzido pela vida microbiana: fosfânfico ou fosfina. Diante da impossibilidade de vincular sua origem a algum processo geológico ou químico das condições conhecidas do planeta, sua possível origem foi discutida em um processo até então desconhecido ou em vida extraterrestre.

Esse estudo causou muita controvérsia por causa das dúvidas que geraram algumas observações. Agora, um novo estudo propõe que, de fato, o que foi detectado é um composto completamente diferente o dióxido de enxofre.

De acordo com o primeiro estudo, publicado na Nature Astronomy, a detecção de fosfina foi realizada com o Telescópio James Clerk Maxwell (JCMT) e os radiotelescópios Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA). Com isso, a equipe de autores ingleses detectou a assinatura química de moléculas de fosfina nas nuvens de Vênus. No entanto, os pesquisadores de Washington decidiram usar modelos robustos de condições dentro da atmosfera de Vênus para rever e reinterpretar observações de radiotelescópios. De acordo com seu artigo aceito no The Astrophysical Journal e publicado em 25 de janeiro no site de prepress arXiv, a equipe inglesa não detectou fosfina.

Hipótese sobre a existência da vida em Vênus desaparece: fosfina detectada era dióxido de enxofre
Hipótese sobre a existência da vida em Vênus desaparece: fosfina detectada era dióxido de enxofre

O fosfânfico provavelmente não foi detectado. Os dados se encaixam melhor com a detecção de dióxido de enxofre. Algo que, por outro lado, faz ainda mais sentido. É, no final, o terceiro composto mais abundante na atmosfera e, além disso, não é um sinal de vida. A tudo isso, acrescentam o fato de que o dióxido de enxofre explica melhor as observações e se encaixa na composição da atmosfera de Vênus e seu ambiente extremo.

A configuração do telescópio também afetou as medições

Em observações do telescópio James Clerk Maxwell, a absorção não veio da camada de nuvens. Na verdade, originou-se cerca de 80 quilômetros acima, na mesosfera de Vênus. Nesse ponto, radiação ultravioleta e condições químicas destruiriam o fosfânfico em segundos. Além disso, eles também descobriram que os dados do ALMA subestimaram a quantidade de dióxido de enxofre presente na atmosfera, causando muito mais fósforo do que se poderia esperar no estudo do final de 2020.

Novo estudo sugere hipótese alternativa

Um novo estudo da Universidade de Washington aterrado a possível existência na atmosfera de Fosfina de Vênus, um marcador de vida na Terra, concluindo que pode ser apenas enxofre.

“Em vez de fosfina nas nuvens de Vênus, os dados são consistentes com uma hipótese alternativa: eles estavam detectando dióxido de enxofre”, disse a coautora Victoria Meadows, professora de astronomia da Universidade de Washington, em comunicado. “O dióxido de enxofre é o terceiro composto químico mais comum na atmosfera de Vênus e não é considerado um sinal de vida.”

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Novo estudo sugere teoria alternativa sobre a composição do Universo

Cientistas descobrem evidências do impacto de um asteroide na Antártida há 430.000 anos

Asteroide do tamanho de um estádio fará aproximação com a Terra, alerta NASA

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?