Skip to content

Nova teoria sobre o que causa deslizamentos de terra em Marte

Nova teoria sobre o que causa deslizamentos de terra em Marte
Geólogos têm discutido o comportamento estranho dos deslizamentos de terra marcianos desde que foram identificados pela primeira vez há quase meio século. Agora, os

Geólogos têm discutido o comportamento estranho dos deslizamentos de terra marcianos desde que foram identificados pela primeira vez há quase meio século. Agora, os especialistas do Instituto SETI inventaram uma teoria sobre o que está causando deslizamentos de terra na superfície de Marte.

Deslizamentos de terra em Marte durante os meses de verão podem ser causados por sais subterrâneos e gelo derretido, afirma um novo estudo.

Usando amostras de solo marciano de imitação, pesquisadores do Instituto SETI nos EUA recriaram deslizamentos de terra marcianos em uma escala em miniatura no laboratório.

As amostras congeladas, salgadas e carregadas de cloro foram descongeladas sob temperaturas destinadas a replicar um verão marciano, resultando em lama e água líquida.

Nova teoria sobre o que causa deslizamentos de terra em Marte
Visão da câmera HiRISE da cratera Krupac em Marte com barrancos ao longo da borda e linhas de inclinação recorrentes abaixo da parede da cratera. Crédito da imagem: NASA / JPL / Universidade do Arizona.

Investigações de campo sobre a Terra, como nos Vales Secos da Antártida, no Mar Morto em Israel e Salar de Pajonales no Deserto do Atacama, também sugeriram isso. Esses lugares mostram que o colapso da superfície e deslizamentos de terra ocorrem quando o sal interage com sulfatos ou água subterrânea.

Esses experimentos com a Terra mostraram que quando os sais interagem com gesso ou água subterrânea, causa interrupções na superfície, incluindo colapso e deslizamentos de terra.

“Durante meu trabalho de campo no Salar de Pajonales, um leito de sal seco no norte do Chile, observei inúmeros exemplos da ação dos sais na geologia local”, disse a coautora do estudo Nancy Hinman, do Instituto SETI.

“É gratificante descobrir que ele poderia desempenhar um papel na formação de Marte também.”


Esses deslizamentos de terra intrigantes nunca foram vistos de perto por um rover ou lander, e até que possam ser investigados por um explorador robótico, os cientistas estão usando experimentos de laboratório e análogos marcianos na Terra para tentar entendê-los.

A equipe, liderada por Janice Bishop, cientista sênior do Instituto SETI e membro da equipe do Instituto de Astrobiologia da NASA, sugere alternativamente a hipótese que o derretimento de gelo em pequena escala no subsolo causa mudanças que tornam a superfície vulnerável a tempestades de poeira e vento. Como resultado, as características aparecem ou se expandem na superfície de Marte. Além disso, a equipe acredita que as finas camadas de gelo derretido resultam de interações entre gelo subterrâneo de água, sais de cloro e sulfatos, que criam uma lama instável, semelhante a um líquido, que instiga buracos, colapso do solo e fluxos de superfície.

“A Antártida e o Atacama são excelentes análogos para Marte porque são ambientes ultra secos”, disse Bishop. “A Antártida tem o benefício adicional de que é super fria. Partes da Antártida, incluindo o Vale do Farol, estão na verdade em pé de igualdade com Marte para temperatura e aridez.”

Embora a água possa ter sido abundante na superfície marciana bilhões de anos atrás, quando o planeta era mais quente e ainda reteve a maior parte de sua atmosfera, a superfície atual de Marte é uma paisagem fria e estéril congelante.

Além de ajudar a explicar os processos geológicos e químicos de Marte, essa teoria também sugere que o ambiente marciano continua dinâmico — que o planeta ainda está evoluindo e ativo — o que tem implicações tanto para a astrobiologia quanto para a futura exploração humana do Planeta Vermelho. O potencial para filmes finos de água abaixo da superfície em Marte em regiões salgadas do permafrost abre novas portas para explorar a habitabilidade.

Este comunicado de imprensa foi originalmente publicado no site da SETI. Foi editado para o estilo

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Planetas com a massa da Terra estão à deriva na Via Láctea

Argila de Marte sugere que o planeta pode ter sido habitável por até um milhão de anos

Lacuna no tamanho do Exoplaneta muda com a idade

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?