Skip to content

Residuos de Prozac causam efeitos colaterais peculiares em peixes

Residuos de Prozac causam efeitos colaterais peculiares em peixes
Só porque você acabou com uma pílula de Prozac, não significa que a pílula acabou. Na verdade, quando você engole algo como um antidepressivo,

Só porque você acabou com uma pílula de Prozac, não significa que a pílula acabou.Na verdade, quando você engole algo como um antidepressivo, não é o fim da jornada da droga no mundo.É o começo.

A maioria das drogas farmacêuticas, incluindo medicamentos psicoativos como a fluoxetina (que ficou famosa com a marca Prozac),é apenas parcialmente absorvida pelo corpo quando ingerida.

O resto do produto químico acaba em seu banheiro, onde entra no sistema de esgoto.

A partir daí, tudo o que não é pego nas estações de tratamento de águas residuais acaba indo para o oceano, involuntariamente prescrito em massa para a vida marinha que vive lá. Eles nunca foram pacientes, mas ainda assim aceitam os resíduos de nossas doses.

Não há nada de novo nisso. Estudos mostraram que a poluição a jusante dos antidepressivos essencialmente banha os peixes em uma sopa de drogas, um fenômeno insidioso que pode afetar seu comportamento de maneiras estranhas que ainda estamos apenas começando a entender.

“Os efeitos colaterais dos poluentes psicoativos na vida selvagem são uma preocupação crescente”, explica em um novo estudo uma equipe de pesquisa liderada pelo ecologista evolucionista Giovanni Polverino, da Universidade da Austrália Ocidental.

“As drogas psicoativas têm como alvo os receptores do cérebro humano que são evolutivamente conservados em todo o reino animal; portanto, talvez não seja surpreendente que eles possam afetar outras espécies.”

Quais são os limites dessa entrega não intencional de drogas, ainda  permanece uma questão em aberto, mas os cientistas acreditam que os peixes na natureza podem ter virtualmente todos os aspectos de seu comportamento alterados por contaminantes bioativos: atividade, sociabilidade, alimentação, migração, acasalamento e muito mais.

Uma das maiores incógnitas é como drogas como essa podem mudar os animais em nível individual, uma vez que a maioria das pesquisas sobre o fenômeno até agora buscou medir os efeitos médios em grupos de peixes.

Para sondar ainda mais, Polverino e sua equipe realizaram um experimento de dois anos no laboratório, submetendo gerações de guppy (Poecilia reticulata) a concentrações específicas de fluoxetina em níveis baixos, a par da poluição química em ambientes aquáticos, bem como a níveis elevados .

Os resultados foram alarmantes: os peixes que tomavam antidepressivos pareciam perder sua capacidade de individualidade como resultado de sua exposição, com variações no comportamento entre animais separados diminuindo à medida que a dose ficava mais forte.

Basicamente, todos eles começaram a agir da mesma forma.

“A principal descoberta é que a exposição crônica a concentrações muito baixas de fluoxetina corrói a variação nos níveis de atividade entre os indivíduos”.

Por si só, isso não soa necessariamente como uma sentença de morte, mas pode equivaler  em uma escala de tempo longa o suficiente, uma vez que diferenças em coisas como correr riscos e outros tipos de estratégias comportamentais entre os animais são conhecidas por beneficiar as espécies por meio de um variedade de processos ecológicos e evolutivos.

Por exemplo, indivíduos mais ativos e propensos a riscos tendem a garantir mais recursos e desfrutar de maior sucesso reprodutivo, o que, por sua vez, reforça a aptidão das espécies, a diversidade genética e a resiliência geral, dizem os pesquisadores.

Se todos os animais começarem a agir da mesma maneira vivendo suas vidas parecidas e dosadas à deriva em um mar de antidepressivos e quem sabe o que mais.

“Para que as populações de peixes prosperem diante das mudanças ambientais, os membros de um grupo precisam se comportar de maneira diferente uns dos outros”, diz Polverino.

“Infelizmente, descobrimos que essa diversidade comportamental é erodida nas populações de peixes expostas à fluoxetina e pode colocar grandes grupos de peixes em um risco maior de perecer em um mundo em mudança e cada vez mais poluído.

“É claro que, embora os pesquisadores tentassem replicar quais seriam os níveis reais de exposição à fluoxetina no oceano, há limitações para o que seu experimento de dois anos em laboratório pode nos dizer.

Ainda estamos olhando apenas para os resultados de um modelo animal aqui, e é possível que a vida marinha no oceano possa ser exposta e afetada de forma diferente, pelo menos até que pesquisas futuras possam testar as coisas na natureza.

Mas, novamente, talvez o experimento dos pesquisadores não seja aquele com o qual devemos nos preocupar.

Afinal, o verdadeiro experimento aqui começou há quase meio século, quando a fluoxetina foi projetada como um meio de tratar a depressão.Foi lançado no mercado dos EUA como Prozac em 1988 e tornou-se um medicamento genérico em 2001.

Até hoje, é um dos medicamentos controlados mais vendidos no mundo, sendo prescrito mais de 25 milhões de vezes nos Estados Unidos em 2018.

Levantamento da Funcional Health Tech mostra que aumentou em 23% o uso desse tipo de medicamento no Brasil entre 2014 e 2018. Mulheres na faixa de 40 anos são as que mais lançam mão dos remédios

E todo esse tempo, ele foi arrastado para o oceano.

Fonte The Royal Society

Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Leia fatos científicos, não ficção... Nunca houve um momento mais importante para valorizar o conhecimento baseado em evidências e apresentar os avanços científicos e tecnológicos.

Aumento do CO2 na Amazônia pode afetar mais as chuvas do que o desmatamento

Dinâmica climática global impulsionou o declínio de mastodontes e elefantes, sugere novo estudo

Como as plantas se adaptam rapidamente às mudanças nas condições ambientais

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?