Skip to content

Os oceanos estão armazenando quantidades recordes de calor

Os oceanos estão armazenando quantidades recordes de calor
As paralisações relacionadas à pandemia podem ter poupado a atmosfera terrestre de algumas emissões de gases de efeito estufa no ano passado, mas o

As paralisações relacionadas à pandemia podem ter poupado a atmosfera terrestre de algumas emissões de gases de efeito estufa no ano passado, mas o mundo continuou aquecendo.

Medições da temperatura da água de todo o mundo indicam que a quantidade total de calor armazenado nos oceanos superiores em 2020 foi maior do que qualquer outro ano registrado desde 1955, relatam pesquisadores online em 13 de janeiro em Avanços em Ciências Atmosféricas. O rastreamento da temperatura dos oceanos é importante porque a água mais quente derrete mais gelo das bordas da Groenlândia e da Antártida, o que eleva o nível do mar (SN: 30/4/20) e sobrecarrega tempestades tropicais (SN: 11/11/20).

Pesquisadores estimaram a energia total de calor armazenado nos 2.000 metros superiores dos oceanos da Terra usando dados de temperatura de sensores atracados, sondas à deriva chamadas carros alegóricos Argo, robôs subaquáticos e outros instrumentos(SN: 19/5/10). A equipe descobriu que as águas do oceano superior continham 234 sextillion, ou 1021 (joules),mais energia térmica em 2020 do que a média anual de 1981 a 2010. O armazenamento de energia térmica aumentou cerca de 20 joules de 2019 para 2020 nos oceanos da Terra.

Essa análise pode superestimar o quanto os oceanos aqueceram no ano passado, diz o coautor do estudo Kevin Trenberth, cientista climático do Centro Nacional de Pesquisas Atmosféricas dos EUA, que atualmente está sediado em Auckland, Nova Zelândia. Assim, os pesquisadores também analisaram os dados da temperatura dos oceanos usando um segundo método mais conservador para estimar o calor total anual do oceano e descobriram que o salto de 2019 para 2020 poderia ser tão baixo quanto 1 sextillion joules.

Science Tech News
Oceanos a cada anos estão armazenando mais energia térmica

Os outros três anos mais quentes registrados para os oceanos do mundo foram 2017, 2018 e 2019. “O que estamos vendo aqui é uma variante do filme Dia da Marmota”, diz o coautor do estudo Michael Mann, cientista climático da Penn State. “O Dia da Marmota tem um final feliz. Isso só se tornará possível se agirmos agora para reduzir drasticamente as emissões de carbono.”

Fonte: sciencenews.org

Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Leia fatos científicos, não ficção... Nunca houve um momento mais importante para valorizar o conhecimento baseado em evidências e apresentar os avanços científicos e tecnológicos.

Aumento do CO2 na Amazônia pode afetar mais as chuvas do que o desmatamento

Dinâmica climática global impulsionou o declínio de mastodontes e elefantes, sugere novo estudo

Como as plantas se adaptam rapidamente às mudanças nas condições ambientais

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?