Skip to content

Relatório climático da ONU: É agora ou nunca

Relatório climático da ONU: É agora ou nunca
Um novo relatório das Nações Unidas divulgado na quarta-feira mostra que a agricultura, a mineração e a exploração madeireira prejudicaram mais da metade do

Um novo relatório das Nações Unidas divulgado na quarta-feira mostra que a agricultura, a mineração e a exploração madeireira prejudicaram mais da metade do planeta. Em um retrato da degradação da terra em todo o mundo, o relatório descreve florestas inteiras arrasadas por madeira ou pastagem; pastagens sensíveis e pântanos perdidos para cidades em expansão, e terras super exploradas que secaram no deserto.

O relatório da ONU sobre mudanças climáticas indica que as emissões de carbono prejudiciais de 2010-2019 nunca foram tão altas na história humana, é a prova de que o mundo está em um “caminho rápido” para o desastre, alertou António Guterres, junto com outros cientistas argumentando que é “agora ou nunca” limitar o aquecimento global a 1,5 graus, a menos que os governos de todos os lugares reavaliem suas políticas energéticas, o mundo será inabitável.

As pessoas alteraram 70% das terras do planeta de seu estado natural e degradaram até 40%. Isso ameaça “muitas espécies na Terra, incluindo a nossa”, adverte o relatório. Se essas tendências continuarem, especialistas esperam crescentes interrupções na saúde humana, suprimentos de alimentos, migração e perda de biodiversidade impulsionadas pelas mudanças climáticas, no que os autores chamam de “confluência de crises sem precedentes”.

O chefe da ONU acrescentou: “Isso não é ficção ou exagero. É o que a ciência nos diz que resultará de nossas políticas energéticas atuais. Estamos em um caminho para o aquecimento global de mais do que o dobro do limite de 1,5 graus (Celsius, ou 2,7 graus Fahreinheit) que foi acordado em Paris em 2015.

Uma parcela crescente das emissões pode ser atribuída às cidades, dizem os autores do relatório, acrescentando que as reduções de emissões ressarcidos na última década “têm sido menores do que o aumento das emissões, do aumento dos níveis globais de atividade na indústria, fornecimento de energia, transporte, agricultura e edifícios”.

Atingindo uma nota mais positiva e insistindo que ainda é possível reduzir pela metade as emissões até 2030, o IPCC instou os governos a intensificar as ações para conter as emissões.

O órgão da ONU também saudou a redução significativa do custo das fontes de energia renovável desde 2010, em até 85% para energia solar e eólica, e baterias.

Agora ou nunca

É agora ou nunca, se quisermos limitar o aquecimento global a 1,5°C (2,7°F); sem reduções imediatas e profundas de emissões em todos os setores, será impossível“, disse Jim Skea, co-presidente do Grupo de Trabalho III do IPCC, que divulgou o último relatório.

As temperaturas globais estabilizarão quando as emissões de dióxido de carbono atingirem zero líquido. Para 1,5C (2.7F),isso significa alcançar emissões líquidas de dióxido de carbono zero globalmente no início da década de 2050; para 2C (3.6°F),é no início da década de 2070, afirma o relatório do IPCC.

“Esta avaliação mostra que limitar o aquecimento a cerca de 2C (3,6F) ainda exige que as emissões globais de gases de efeito estufa aumentem antes de 2025, no máximo, e sejam reduzidas em um quarto até 2030.”

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Aumento do CO2 na Amazônia pode afetar mais as chuvas do que o desmatamento

Dinâmica climática global impulsionou o declínio de mastodontes e elefantes, sugere novo estudo

Como as plantas se adaptam rapidamente às mudanças nas condições ambientais

Deixe um comentário


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?