Skip to content

Cientistas descobrem uma nova classe de células de memória no cérebro

Cientistas descobrem uma nova classe de células de memória no cérebro
Cientistas há muito tempo procuram por uma classe de células cerebrais que poderiam explicar o flash de reconhecimento que sentimos quando vemos um rosto

Cientistas há muito tempo procuram por uma classe de células cerebrais que poderiam explicar o flash de reconhecimento que sentimos quando vemos um rosto muito familiar.

Agora, uma nova  pesquisa revela uma classe de neurônios na região do polo temporal do cérebro que liga a percepção facial à memória de longo prazo. Não é bem o neurônio apócrifo ou uma única célula, é uma população de células que lembram coletivamente para gravar e gerar essas informações. A descoberta publicada na  Science, são as primeiras a explicar como nossos cérebros reprisam os rostos daqueles que amamos ou que nos marcam.

Já vi esse rosto antes?

Desde a década de 1960 existe a teoria que existiria um neurônio para codificar cada uma dessas memórias, por exemplo, um guarda a lembrança da sua avó, outro para lembrar da mãe, e assim por diante. A noção de uma relação de um para um entre células cerebrais e objetos ou conceitos era uma tentativa de abordar o mistério de como o cérebro combina o que vemos com nossas memórias de longo prazo.

Desde então, os cientistas descobriram muitos neurônios sensoriais especializados no processamento de informações faciais, e tantas células de memória dedicadas a armazenar dados de encontros pessoais. Mas um neurônio ou mesmo uma célula híbrida capaz de ligar a visão à memória nunca emergiu. “A expectativa é que já tivéssemos tido isso”, diz Freiwald. “Longe disso! Não tínhamos conhecimento claro de onde e como o cérebro processa rostos familiares.”

Recentemente, Freiwald e colegas descobriram que uma pequena área na região do polo temporal do cérebro pode estar envolvida no reconhecimento facial. Assim, a equipe usou a ressonância magnética funcional como um guia para ampliar as regiões TP de dois macacos rhesus, e registrou os sinais elétricos dos neurônios TP enquanto os macaques observavam imagens de rostos familiares (que tinham visto pessoalmente) e rostos desconhecidos que eles só tinham visto virtualmente, em uma tela.

A equipe descobriu que os neurônios na região do TP eram altamente seletivos, respondendo a rostos que os sujeitos tinham visto antes mais fortemente do que os desconhecidos. E os neurônios estavam discriminando rapidamente entre rostos conhecidos e desconhecidos imediatamente após o processamento da imagem.

Curiosamente, essas células responderam três vezes mais fortemente aos rostos familiares sobre rostos desconhecidos, embora os sujeitos tivessem visto de fato os rostos desconhecidos muitas vezes virtualmente, nas telas. “Isso pode apontar para a importância de conhecer alguém pessoalmente”, diz a neurocientista Sofia Landi, primeira autora do artigo. “Dada a tendência de hoje em dia de se tornaram virtuais, é importante notar que rostos que vimos em uma tela podem não evocar a mesma atividade neuronal que os rostos que encontramos pessoalmente.”

Cientistas descobrem uma nova classe de células de memória no cérebro
Cientistas descobrem uma nova classe de células de memória no cérebro

A primeira evidência de uma célula cerebral híbrida?

As células da região TP se comportam como células sensoriais, com respostas confiáveis e rápidas a estímulos visuais. Mas elas também agem como células de memória que respondem apenas a estímulos que o cérebro já viu antes, como indivíduos familiares, refletindo no cérebro o resultado de encontros passados. “São células muito visuais, muito sensoriais, mas como células de memória”, diz Freiwald. “Descobrimos uma conexão entre os domínios sensorial e de memória.”

A descoberta da região do TP de reconhecimento facial significa que os pesquisadores podem em breve começar a investigar como essas células codificam rostos familiares. “Agora podemos perguntar como essa região está conectada às outras partes do cérebro e o que acontece quando um novo rosto aparece”, diz Freiwald. “E claro, podemos começar a explorar como ele funciona no cérebro humano.”

No futuro, os achados também podem ter implicações clínicas para pessoas que sofrem de prosopagnosia, ou cegueira facial, uma condição socialmente isolada que afeta cerca de 1% da população. “Pessoas cegas muitas vezes sofrem de depressão. Pode ser debilitante, porque nos piores casos eles não conseguem nem reconhecer parentes próximos”, diz Freiwald.

“Essa descoberta pode um dia nos ajudar a elaborar estratégias para ajudá-los.”

sciencedaily.com

Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Regdanvimab promissora terapia de anticorpos para tratamento de pacientes com coronavírus

Uma rede artificial mantida na ‘Borda do Caos’ age como um cérebro humano

‘Lagos’ sob o polo sul de Marte: Uma imagem lamacenta!

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?