Skip to content

Cientista se arrisca em rapel para estudar borboleta rara

Cientista se arrisca em rapel para estudar borboleta rara
Falésias desesperadas exigem medidas desesperadas: Para estudar uma das borboletas mais raras da Europa, que vivem em encostas quase perpendiculares no alto dos Alpes

Falésias desesperadas exigem medidas desesperadas: Para estudar uma das borboletas mais raras da Europa, que vivem em encostas quase perpendiculares no alto dos Alpes suíço-italianos, os cientistas recorreram ao rapel em montanhas vertiginosas. Seus esforços valeram a pena com alguns dados encorajadores.

Os cientistas descreveram pela primeira vez o anel de Raetzer laranja e marrom (Erebia christi) descoberto há mais de 100 anos.

O que se sabe sobre Erebia Christ?

O anelzinho do Raetzer é uma espécie de borboleta da família Nymphalidae. Pode ser encontrada na Itália e na Suíça. Seu habitat natural é pastagem temperada. É uma das raras borboletas europeias, não tendo mais do que seis ou sete populações.

Mas seu traiçoeiro habitat alpino sempre impediu de ser estadada em campo. Isso mudou em 2015, quando funcionários da área protegida de Osola, no norte da Itália, procuraram dois pesquisadores independentes de insetos que também eram alpinistas veteranos. Andrea Battisti e Matteo Gabaglio, que tiveram décadas de experiência em escalada esportiva, perceberam que podiam descer ao covil da borboleta penduradas em uma corda.

Os biólogos e seus colegas examinaram 10 locais na Itália e na Suíça. Parecia “ser um explorador”, diz Gabaglio. “Você está indo para onde ninguém nunca foi, você está tentando encontrar uma borboleta que poucas pessoas já viram.”

Em dois locais chave, a equipe avistou 177 borboletas, informaram os pesquisadores este mês no Journal of Insect Conservation. Isso é uma boa notícia: as borboletas parecem ser mais abundantes do que estudos anteriores sugeriram. Mas eles recomendaram que a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) e os governos europeus melhorem o status da espécie de “vulnerável” para “ameaçada”, devido às mudanças climáticas e outras ameaças.

Os alpinistas intrépidos reuniram alguns novos dados “importantes” sobre está borboleta, diz o ecologista da IUCN Chris Van Swaay. Mas para a IUCN aceitar sua recomendação, acrescenta, provavelmente precisará de dados ainda mais suados.

Fonte: Springer Link

Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Leia fatos científicos, não ficção... Nunca houve um momento mais importante para valorizar o conhecimento baseado em evidências e apresentar os avanços científicos e tecnológicos.

Leões bocejam quando estão relaxados e se comunicar socialmente

Como os insetos que mudam a vida estão remodelando a pesquisa de envelhecimento

Indígenas na Amazônia usam dados de satélite, smartphones, drones para combater a exploração madeireira ilegal

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?