Skip to content

Vírus oncolítico têm a capacidade de infectar e matar células tumorais

Instituto de Saúde de Luxemburgo (LIH) identifica proteína ‘chave’ que permite que vírus que destroem o câncer entrem em células tumorais

Pesquisadores do Laboratório de Oncolítico-Vírus-Imuno-Terapêuticos (LOVIT) do Departamento de Oncologia da LIH (DONC) estão trabalhando no desenvolvimento de novas estratégias anticancerígenas baseadas em vírus oncolíticos, vírus “bons” que podem infectar, replicar e matar células cancerígenas especificamente.

Vírus oncolítico que têm a capacidade de infectar e matar células tumorais
Crédito: Drs Amit Kulkarni (esquerda) e Antonio Marchini (direita) da LOVIT

Em particular, a equipe do LOVIT elucidou o mecanismo através do qual o vírus que destrói o câncer H-1PV pode se conectar e entrar em células cancerígenas, causando assim sua lise e morte. No centro desse processo estão laminins, e especificamente laminina γ1, uma família de proteínas na superfície de uma célula cancerosa à qual esse vírus se liga, e que, portanto, agem como a “porta” através da qual o vírus entra nas células. Os achados, publicados na prestigiada revista internacional Nature Communications, carregam implicações significativas para o avanço das estratégias anticancerígenas baseadas em vírus e para a previsão da resposta de um paciente a essa abordagem terapêutica inovadora.

Vírus oncolíticos, como o vírus de rato H-1PV, têm a capacidade de infectar seletivamente e matar células tumorais, induzindo sua lise e estimulando uma resposta imune anticancerígena, sem, no entanto, prejudicar tecidos saudáveis normais. Apesar de seu notável potencial clínico, seu uso como tratamento autônomo não resulta atualmente em regressão completa do tumor, principalmente devido ao grau variado de sensibilidade e reação do paciente. Por isso, é importante identificar pacientes cujos tumores apresentam características genéticas que os tornam vulneráveis ao vírus e que, portanto, são mais propensos a se beneficiar dessa nova terapia anticancerígena.

Usando uma técnica conhecida como interferência de RNA, a equipe de pesquisa progressivamente ‘desligou’ perto de 7.000 genes de células cancerígenas cervicais para detectar aquelas que modulam negativa ou positivamente a capacidade infecciosa do H-1PV. Assim, identificaram 151 genes e suas proteínas resultantes como ativadores e 89 como repressores da capacidade do H-1PV de infectar e destruir células cancerígenas.

A equipe analisou especificamente os genes que codificavam proteínas localizadas na superfície celular, a fim de caracterizar seu papel na determinação do acoplamento e entrada do vírus. Eles descobriram que uma família de proteínas chamada laminins, e particularmente laminina γ1, desempenham um papel crucial na mediação do apego e penetração celular.

De fato, desativar o gene LAMC1 correspondente em células de glioma, cervical, pâncreas, colorretal e pulmonar resultou em uma redução significativa na ligação e absorção de células do vírus, e no aumento da resistência celular cancerígena à morte induzida pelo vírus. Um efeito semelhante foi observado ao desligar o gene LAMB1 codificando a proteína laminina β1. “Essencialmente, laminídeos na superfície da célula cancerosa são a ‘porta’ que permite que o vírus reconheça seu alvo, se conecte e penetre nele, levando posteriormente à sua destruição.

A equipe foi além e procurou avaliar as implicações clínicas de seus achados para pacientes com câncer. Eles descobriram que laminins γ1 e β1 são expressos diferencialmente em diferentes tumores, sendo, por exemplo, superexpressos em células de carcinoma pancreático e glioblastoma (GBM) em comparação com tecidos saudáveis.

Esses achados poderiam levar à classificação de pacientes com câncer de acordo com seus níveis individuais de expressão de laminina, atuando assim como um biomarcador que prevê sua sensibilidade e capacidade de resposta às terapias anticancerígenas baseadas em H-1PV. Isso, por sua vez, permitirá o desenho de ensaios clínicos mais eficientes com custos reduzidos e tempos de aprovação e, em última instância, o desenvolvimento de tratamentos combinatórios aprimorados para melhorar tangivelmente os resultados dos pacientes.

O estudo foi publicado em junho de 2021 na renomada revista Nature Communications, com o título completo “Oncolytic H-1 parvovirus binds to sialic acid on laminins for cell attachment and entry“.

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Regdanvimab promissora terapia de anticorpos para tratamento de pacientes com coronavírus

Cientistas descobrem uma nova classe de células de memória no cérebro

Uma rede artificial mantida na ‘Borda do Caos’ age como um cérebro humano

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?