Skip to content

Indígenas na Amazônia usam dados de satélite, smartphones, drones para combater a exploração madeireira ilegal

Indígenas na Amazônia usam dados de satélite, smartphones, drones para combater a exploração madeireira ilegal
Cerca de metade das florestas tropicais do mundo estão localizadas na Amazônia. Essas florestas armazenam imensas quantidades de carbono, por isso protegê-las é fundamental

Cerca de metade das florestas tropicais do mundo estão localizadas na Amazônia. Essas florestas armazenam imensas quantidades de carbono, por isso protegê-las é fundamental para desacelerar as mudanças climáticas. Mas incêndios, extração ilegal de madeira, expansão de fazendas de gado e soja, mineração e o comércio ilegal de drogas estão impulsionando o desmatamento rápido.

À medida que mais árvores são destruídas, assim como a capacidade das florestas de capturar carbono. Os povos indígenas que habitam a Amazônia há muito tempo estão trabalhando para deter o desmatamento ilegal, mas o trabalho é difícil e perigoso. Assim, desde 2015, a Rainforest Foundation EUA, uma organização sem fins lucrativos sediada no Brooklyn, Nova York, tem feito parcerias com comunidades indígenas para incorporar novas tecnologias nos esforços de monitoramento florestal.

Indígenas na Amazônia usam dados de satélite, smartphones, drones para combater a exploração madeireira ilegal
Indígenas na Amazônia usam dados de satélite, smartphones, drones para combater a exploração madeireira ilegal

Suzanne Pelletier, diretora executiva da Rainforest Foundation EUA em entrevista para Yale Climate Connections, comentou como a combinação de novas tecnologias e sistemas tradicionais de governança pode ajudar a proteger a Amazônia e capacitar comunidades indígenas.

Os povos indígenas controlam cerca de um quarto de toda a massa terrestre da bacia amazônica. Por isso, é importante perceber o papel fundamental dos povos indígenas na proteção desse recurso global.

Modelando esse sucesso, a Rainforest Foundation US (RFUS) e a Organização Indígena da Amazônia Oriental peruana (ORPIO-AIDESEP),com apoio da Universidade de Columbia e do Instituto de Recursos Mundiais, fizeram uma parceria para implementar e medir uma iniciativa que utiliza o sistema de alerta de desmatamento GLAD da Global Forest Watch em comunidades indígenas no Peru.

Este é o primeiro projeto desse tipo a colocar os alertas GLAD em ação em grande escala. Por meio desta iniciativa de escala, os mapas básicos do programa RFUS e ORPIO e os alertas GLAD em telefones inteligentes que são distribuídos para monitores florestais eleitos pela comunidade.

Os mapas permitem que os monitores visualizem alertas de desmatamento e limites legais de seus territórios, detalhes que experimentaram no solo, mas nunca vistos do ponto de vista de um satélite. Usando os aplicativos de telefone inteligente Forest Watcher e Locus Pro da GFW, monitores eleitos pela comunidade podem interpretar, verificar e documentar alertas de desmatamento no local. Os aplicativos fornecem imagens georreferenciadas do desmatamento, que podem ser convertidas em reclamações oficiais que solicitam uma resposta do governo e uma ação da polícia.

Indígenas na Amazônia usam dados de satélite, smartphones, drones para combater a exploração madeireira ilegal
Indígenas na Amazônia usam dados de satélite, smartphones, drones para combater a exploração madeireira ilegal

Comunidades indígenas no Peru historicamente protegeram suas florestas através da governança tradicional e patrulhas rotineiras de seus territórios (variando de 5.000 a 20.000 hectares).

Mas à medida que aumentam as ameaças de invasão e invasão ilegal na periferia dos territórios coletivos, os alertas de desmatamento por satélite são importantes para respostas rápidas e eficazes. Análises dos alertas de desmatamento da plataforma GFW ilustram invasões exponencialmente arrebatadoras e mudanças no uso da terra em todas as províncias peruanas de Ucayali e Loreto.

Essa tecnologia de ponta permite que as comunidades indígenas detectem e documentem eficientemente o desmatamento, ao mesmo tempo em que geram evidências visuais precisas e convincentes de atividades ilegais em seus territórios. A equipe da RFUS já treinou mais de 110 monitores comunitários em 36 comunidades indígenas em Loreto, Peru, para usar o sistema de alerta de satélite Geobosques Global Land Use and Discovery (GLAD) do Ministério do Meio Ambiente peruano.

As comunidades estão usando alertas semanais de desmatamento glad transmitidos para seus smartphones para monitorar, verificar e responder ao desmatamento em seus territórios coletivos. Armados com o conhecimento para interpretar esses alertas de satélite e usar smartphones e aplicativos como o Forest Watcher, os monitores podem rapidamente colocar as informações em ação.

Mais de 250.000 hectares de florestas tropicais ameaçadas ao longo dos rios Napo e Amazonas em Loreto estão atualmente sendo protegidos usando esse sistema. Os resultados do uso da tecnologia com o conhecimento das comunidades indígenas está trazendo resultados surpreendentes, veja o resultado no gráfico abaixo, uma redução de 95% nas áreas de desmatamento onde as comunidades atuam.

Indígenas na Amazônia usam dados de satélite, smartphones, drones para combater a exploração madeireira ilegal
Indígenas na Amazônia usam dados de satélite, smartphones, drones para combater a exploração madeireira ilegal

Por que recorrer à tecnologia?

Antes que a tecnologia estivesse disponível para eles, as queixas indígenas contra a apropriação ilegal de suas terras por empresas que buscavam explorar os recursos naturais da região não eram ouvidos. No Peru, por exemplo, as comunidades Achuar, Quechua e Kichwa relataram contaminação de suas principais fontes de água em 2000. No entanto, essas reclamações foram ignoradas por falta de evidências e rebatidas por dados oferecidos pela empresa petrolífera responsável, Pluspetrol.

Com a tecnologia tudo mudou, com as fotos e vídeos capturados por grupos indígenas, que podem posteriormente ser usados em tribunal, fazendo com que as autoridades tenham que ouvir.

Em 26 de abril de 2019, os Waorani também venceram uma batalha judicial contra o governo equatoriano, com a decisão do tribunal de que “o governo equatoriano não poderia, como havia planejado e leiloado suas terras para exploração de petróleo sem seu consentimento”.

O equipamento também permite que grupos indígenas e ativistas monitorem e impeçam o desmatamento sem se colocarem em perigo diante de uma nova onda em que madeireiros e mineiros exploram a Amazônia como nunca, incentivados pelo discurso de desenvolvimento que o presidente Jair Bolsonaro e muitos governadores de estado apoiam.

Na verdade, os Tierra Resistentes (Terra dos Resistentes) documentaram um grande número de agressões e até assassinatos contra pessoas que enfrentam madeireiros e mineiros.

Os problemas permanecem

Ainda existem obstáculos, por exemplo, aldeias indígenas muito afastadas tem maiores dificuldades para obter o material e enviar dados, apenas quatro das nove aldeias Uru-Eu-Wau-Wau na Amazônia têm eletricidade, apenas uma tem Wi-Fi, o que significa que há um longo processo para enviar drones e imagens de câmeras para a internet antes que possam ser usadas como provas em um tribunal. 

Nem todos os grupos indígenas têm acesso a essa tecnologia, dificultando seriamente seus esforços para proteger suas terras. Mas com o tempo, isso deve mudar, permitindo que os governos sejam responsabilizados pela destruição dessas áreas.

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Leões bocejam quando estão relaxados e se comunicar socialmente

Como os insetos que mudam a vida estão remodelando a pesquisa de envelhecimento

Jardins domésticos são vitais para abelhas e outros polinizadores

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?