Skip to content

Ciclones como se formam e quais suas características

Ciclones como se formam e quais suas características
Neste post vamos falar sobre ciclones, desde como se formam, tipos, suas classificações e muitas outras informações a respeito deste fenômeno natural. O que

Neste post vamos falar sobre ciclones, desde como se formam, tipos, suas classificações e muitas outras informações a respeito deste fenômeno natural.

O que são ciclones

Ciclone (ou depressão atmosférica ou centro de baixas pressões) é uma região em que o ar relativamente quente se eleva e favorece a formação de nuvens e precipitação. Por isso, tempo chuvoso e nublado, chuva e vento forte estão normalmente associados a centros de baixas pressões. A instabilidade do ar produz um grande desenvolvimento vertical de nuvens cumuliformes associadas a cargas de água.

“São regiões de baixa pressão atmosférica em torno das quais o vento sopra no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio no hemisfério norte e sopra no sentido do movimento dos ponteiros do relógio no hemisfério sul, porque a pressão atmosférica é mínima no seu centro e aumenta à medida que a distância ao centro aumenta”.

Como são indicados os ciclones nos mapas metereológicos

Os ciclones são indicados nos mapas meteorológicos pela letra «B» e são locais onde a pressão atmosférica é a mais baixa na sua vizinhança e em volta do qual existe um padrão organizado de circulação de ar. À medida que, pela ação do diferencial de pressões, o ar flui dos centros de altas pressões para um centro de baixas pressões é deflectido pela força de Coriolis de tal modo que os ventos circulam em espiral, isto é, no sentido anti-horário no Hemisfério Norte e no sentido horário no Hemisfério Sul. Na meteorologia, os movimentos de ar resultantes de um centro de altas pressões são denominados anticiclones. O sentido de giro de um ciclone e de um anticiclone é o contrário para um mesmo hemisfério[3][4], sendo este determinado pela aceleração de Coriolis.

Como se formam os Ciclones

Os ciclones formam-se devido à movimentação do ar gerada em uma área de baixa pressão atmosférica. Essas áreas apresentam, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia, pressão atmosférica inferior às que as circundam. Os ventos nessas áreas sopram para dentro e diferem-se em cada hemisfério.

O ar quente e úmido (menos denso),que se encontra normalmente sobre as regiões tropicais (regiões de maior ocorrência de terremotos),eleva-se para as camadas superiores da atmosfera. Já o ar frio e seco (mais denso) rebaixa-se para a superfície, o que gera a redução da pressão atmosférica.

Uma enorme liberação de calor devido à condensação provocada pela ascensão do ar quente e úmido que ao subir condensa-se. Assim, acaba aquecendo a massa de ar e gerando, então, um processo de convecção, gerando instabilidade na área e, consequentemente, a formação do ciclone. Segundo o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC),os ciclones podem percorrer longas distâncias e tornarem-se mais intensos à medida que são alimentados pela umidade.

Tipo de Ciclones

  • Ciclone extratropical. Os ciclones extratropicais estão, em geral, associados com as frentes frias. …
  •  Ciclone subtropical. O subtropical é um ciclone intermediário, ou seja, está entre o tropical e o extratropical, por esse motivo tem características de ambos.
  • Ciclone tropical.

Science Tech News

Segundo o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC),do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), os ciclones surgem principalmente sobre os oceanos, em geral em regiões tropicais, podem durar vários dias e se deslocar por longas distâncias, tornando-se, em alguns casos, muito intensos.

Também há os casos em que esses fenômenos ocorrem fora das regiões tropicais. Quando ocorrem fora dessas zonas, recebem o nome de ciclones extratropicais.

Nos eventos tropicais, a energia vem da evaporação da água do mar. Já nos extratropicais, há uma frente fria associada. Os ventos são mais fracos e a energia vem de contrastes térmicos horizontais, ou seja, massa de ar frio próximo a uma massa de ar quente.

Science Tech News

Os ciclones tropicais têm vento de até 119 km/h. Quando atingem mais de 119 km/h, os ciclones são classificados como furacões. A intensidade dos furacões é medida de acordo com a pressão no centro e também pela velocidade do vento.

Quando ocorre no leste do Oceano Pacífico ou no Oceano Atlântico, o fenômeno é chamado de furacão. Contudo, quando acontece no oeste do Pacífico (mais especificamente na Ásia),é chamada de tufão.

Esses eventos são diferentes dos tornados, que são ventos giratórios em forma de funil. Normalmente, os tornados são formados em terra, com diâmetro (junto ao solo) de até algumas dezenas de metros.

Os tornados são considerados o fenômeno meteorológico mais destrutivo, já que a velocidade do vento pode superar 400 km/h, mas, em comparação com os furacões, atinge áreas muito menores e dura menos tempo (de alguns minutos a cerca de uma hora).

Regiões mais propicias para formação de Ciclones

Ciclones são tempestades tropicais que se formam geralmente nos oceanos, em uma zona de baixa pressão atmosférica.

México, Estados Unidos e Caribe: as zonas mais vulneráveis
Os ventos alísios, principais ventos nas latitudes baixas tropicais, vão de leste a oeste, levando os ciclones até as costas do Caribe, do Golfo do México e dos Estados Unidos.

Qual o ciclone mais forte já registrado

Gonu foi o ciclone tropical mais forte já registrado no Oceano Índico norte. O DMI classificou o sistema como a super tempestade ciclônica Gonu no final de 4 de junho, com ventos constantes (10 minutos sustentados) de 240 km/h e uma pressão atmosférica mínima estimada de 920 mbar.

O ciclone causou cerca de $4 bilhões de dólares americanos em danos e mais de 50 mortes em Omã, onde o ciclone foi considerado o pior desastre natural já registrado no país. Gonu causou chuvas torrenciais na costa leste do país, alcançando 610 mm em alguns pontos, que causou enchentes e muitos danos. No Irã, o ciclone causou 23 fatalidades e $215 milhões de dólares americanos.

Fontes: CNN

Mundo Educação

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Leia fatos científicos, não ficção... Nunca houve um momento mais importante para valorizar o conhecimento baseado em evidências e apresentar os avanços científicos e tecnológicos.

Mudanças Climáticas causam onda de calor na Índia e no Paquistão

Relatório climático da ONU: É agora ou nunca

Aumento do CO2 na Amazônia pode afetar mais as chuvas do que o desmatamento

Deixe um comentário


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?