Skip to content

Misteriosa doença que dissolve e mata as estrelas-do-mar intriga especialistas

Misteriosa doença que dissolve e mata as estrelas-do-mar intriga especialistas
Estrelas do mar estão morrendo em todo o mundo nos últimos sete anos, com algumas espécies à beira da extinção por uma misteriosa doença

Estrelas do mar estão morrendo em todo o mundo nos últimos sete anos, com algumas espécies à beira da extinção por uma misteriosa doença está matando-as, a doença infecta a estrelas-do-mar e começa a dissolver antes de matar, não se trata de uma infecção como haviam pensado inicialmente. Em alguns casos, os braços afetados se desprendem do corpo da estrela-do-mar antes de se dissolverem completamente.

O fenômeno conhecido como doença destruidora de estrelas do mar (SSWD),pode na verdade ser uma forma de distúrbio respiratório, as estrelas do mar estão basicamente “se afogando” debaixo d’água. Além disso, os pesquisadores também sugeriram um aumento da atividade microbiana da matéria orgânica circundante, e o aumento da temperatura do oceano torna mais difícil para essas espécies respirar na água.

A doença misteriosa que dissolve estrelas-do-mar, causa sintomas letais como tecido em decomposição e perda de membros. Essa pesquisa ganhou notoriedade pela primeira vez em 2013, quando estrela-do-mar que vivem na costa do Pacífico dos EUA morreram em grande número. Surtos dessa doença também ocorreram antes de 2013, mas nunca em tão grande escala.

Science Tech News
A doença misteriosa que dissolve estrelas-do-mar

A suspeita era que um vírus ou bactéria pode estar adoecendo estrela-do-mar. Essa hipótese foi apoiada em um estudo de 2014 que constatou que animais não saudáveis podem ter sido infectados por um vírus (SN: 19/11/14). Mas a ligação desapareceu quando estudos subsequentes não encontraram relação entre o vírus e as estrela-do-mar moribundas, deixando os pesquisadores perplexos (SN: 5/5/16).

Uma nova descoberta de que um boom de bactérias amantes de nutrientes pode drenar o oxigênio da água e causar doenças debilitantes “nos desafia a pensar que nem sempre pode haver um único patógeno ou uma arma fumegante”, diz Melissa Pespeni, bióloga da Universidade de Vermont, em Burlington, que não participou da obra. Esse cenário ambiental complexo para matar estrela-do-mar “é um novo tipo de ideia para a transmissão [de doenças]”.

Certamente houve muitas pistas falsas durante a busca do motivo pelo qual as estrela-do-mar ao longo da costa do Pacífico da América do Norte estavam derretendo em gosma, diz Ian Hewson, biólogo marinho da Universidade Cornell. Além da hipótese original de uma causa viral para a doença desconhecida que dissolve estrelas-do-mar – que a equipe de Hewson relatou em 2014 em Proceedings of the National Academy of Sciences, mas posteriormente refutou – ele e seus colegas analisaram uma série de outras explicações, desde diferenças na temperatura da água até expor os animais às bactérias. Mas nada desencadeou o desperdício de forma confiável.

Em seguida, os pesquisadores examinaram os tipos de bactérias que vivem com estrela-do-mar saudáveis em comparação com as que vivem entre os animais com doença debilitante. “Foi então que tivemos nosso momento aha”, diz Hewson.

Uma espécie bactéria conhecidas como copiotrofas, que prosperam em ambientes com muitos nutrientes, estavam presentes ao redor das estrela-do-mar em níveis mais elevados do que o normal, pouco antes de os animais desenvolverem lesões ou durante o desenvolvimento, descobriram Hewson e colegas. Algumas dessas espécies bacterianas sobrevivem apenas em ambientes com pouco ou nenhum oxigênio também estavam prosperando. No laboratório, as estrela-do-mar começaram a definhar quando os pesquisadores adicionaram fitoplâncton ou um ingrediente comum de crescimento bacteriano aos reservatórios de água quente em que esses micróbios e estrela-do-mar viviam.

O esgotamento experimental do oxigênio da água teve um efeito semelhante, causando lesões em 75% dos animais, enquanto nenhum sucumbiu no grupo de controle. As estrela-do-mar respiram difundindo oxigênio por meio de pequenas projeções externas chamadas brânquias de pele, de modo que a falta de oxigênio na esteira dos copiotrofos florescentes faz com que as estrela-do-mar lutem por ar, mostram os dados. Não está claro como os animais se degradam em condições de baixo oxigênio, mas pode ser devido à morte celular massiva.

Embora a doença não seja causada por um patógeno contagioso, é transmissível no sentido de que estrela-do-mar moribundas geram mais matéria orgânica que estimula o crescimento de bactérias em animais saudáveis próximos. “É um pouco como um efeito de bola de neve”, diz Hewson.

A equipe também analisou tecidos de estrela-do-mar que sucumbiram na morte em massa de 2013, que se seguiu a uma grande proliferação de algas na costa oeste dos Estados Unidos, para ver se tais condições ambientais poderiam explicar esse surto. Em apêndices de crescimento rápido que os ajudam a se mover, as estrela-do-mar que pereceram tinham grandes quantidades de uma forma de nitrogênio encontrada em condições de baixo oxigênio – um sinal de que esses animais podem ter morrido por falta de oxigênio.

O problema pode piorar com a mudança climática, diz Hewson. “Águas mais quentes não podem ter tanto oxigênio [em comparação com a água mais fria] apenas pela física.” As bactérias, incluindo os copiotrofos, também florescem em água morna.

Mas identificar a causa provável pode ajudar os especialistas a tratar melhor as estrela-do-mar doentes em laboratório, diz Hewson. Algumas técnicas incluem aumentar os níveis de oxigênio em um tanque de água para tornar o gás mais facilmente disponível para as estrela-do-mar, eliminar a matéria orgânica extra com luz ultravioleta ou troca de água.

“Ainda há muito a descobrir com essa doença, mas acho que (este novo estudo) nos ajuda a entender como ela ocorre”, diz Pespeni.

Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Leia fatos científicos, não ficção... Nunca houve um momento mais importante para valorizar o conhecimento baseado em evidências e apresentar os avanços científicos e tecnológicos.

O que são experiências de quase-morte e como podem acontecer?

Oceano ‘Zonas Mortas’ estão liberando um dos piores gases de efeito estufa

Aumento do CO2 na Amazônia pode afetar mais as chuvas do que o desmatamento

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?