Skip to content

‘A Idade da Luz’ ilumina a ciência da chamada Idade das Trevas

‘A Idade da Luz’ ilumina a ciência da chamada Idade das Trevas
Um mito de longa data sobre a história medieval é que a Idade Média era intelectualmente escura. A ciência supostamente teve um hiato entre

Um mito de longa data sobre a história medieval é que a Idade Média era intelectualmente escura. A ciência supostamente teve um hiato entre o fim de Roma e a ascensão da astronomia copernicana e a física de Galileu, alguns relatos superficiais sugerem.

“A realidade medieval, no entanto, é uma Era Leve de interesse científico e investigação”, escreve o historiador Seb Falk em The Light Ages. Historiadores sabem há muito tempo que mosteiros e universidades medievais hospedavam muitos pensadores profundos envolvidos em empreendimentos intelectuais sofisticados. Em particular, enfatiza Falk, a era medieval produziu realizações técnicas de alto nível no domínio da fabricação de instrumentos científicos.

Falk conta sua história a partir da perspectiva de John Westwyk, um monge na Abadia de St. Albans, na Inglaterra, no século XIV. Pouco se sabe sobre Westwyk, mas Falk recria sua vida através de um relato dos eventos da vida e deveres dos monges naquela época. Westwyk é conhecido por ter produzido dois importantes manuscritos astronômicos, ambos sobre instrumentos científicos.

O mais notável entre os instrumentos da época foi o astrolábio, uma engenhoca contendo discos móveis para medir e representar as posições dos objetos astronômicos. Se você já se perguntou como os astrolábios funcionavam? E se você estiver curioso sobre a obsessão medieval com a astrologia  uma motivação primordial para a construção de astrolabes – seu apetite será suficientemente satisfeito.

Se você deseja mais detalhes sobre ciência medieval, porém, outros livros oferecem mais. Falk menciona apenas a passagem das realizações de alguns dos muitos estudiosos sérios da época, como Robert Grosseteste, Roger Bacon, Albert, o Grande e Nicole Oresme. Praticamente não há discussão sobre a ciência da mecânica durante a Idade Média, que, embora esteja alem da compreensão moderna, ainda forneceu uma base para realizações posteriores.

No entanto, o livro de Falk oferece um antídoto esclarecedor para o mito da “Idade das Trevas”. É completamente documentado, ricamente ilustrado e envolventemente escrito (embora com ocasionalmente mais lento trenó através dos detalhes de alguns desses mecanismos astronômicos e a fundição de horóscopos).

Falk diz que “procurou contar a história da ciência medieval,  como parte integrante da vida e cultura medieval”, e ele consegue incorporar atividades científicas dentro da cultura da vida religiosa medieval. A ciência e a religião não estavam geralmente em desacordo, como às vezes assumiam, mas sim eram duplas tentativas de compreender o funcionamento da criação de Deus. É verdade que os teólogos às vezes entravam em conflito com filósofos naturais, mas todos operavam dentro da compreensão de que o estudo da natureza era o estudo da obra de Deus.

O relato de Falk não é toda a história de todas as maneiras que a ciência medieval era clara ao invés de escura. Mas ainda é uma parte importante dessa história.

Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Leia fatos científicos, não ficção... Nunca houve um momento mais importante para valorizar o conhecimento baseado em evidências e apresentar os avanços científicos e tecnológicos.

Coreia do Norte diz que não vai para os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2021

Os relâmpagos desempenharam um papel vital nas origens da vida na Terra

Poder cerebral coletivo: Formigas usam sua sociedade para superar obstáculos

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?