Skip to content

4 Estudos de cientistas russos que poderão mudar nossas vidas

4 Estudos de cientistas russos que poderão mudar nossas vidas
Quando os primeiros trabalhos sobre baterias de lítio começaram a ser publicados na década de 1970, talvez até seus autores tivessem uma má ideia

Quando os primeiros trabalhos sobre baterias de lítio começaram a ser publicados na década de 1970, talvez até seus autores tivessem uma má ideia de como terminaria.

Lembraremos para sempre 2020 por causa da pandemia, e às vezes parece que todos os cientistas do mundo de diferentes campos e especializações correram para uma guerra contra o vírus, mas é claro que não né! A descoberta da supercondutividade à temperatura ambiente, novas drogas para terapia contra o câncer, aprendizado de máquina na ciência dos materiais e muito mais, separamos alguns estudos muito interessantes que poderão mudar nossas vidas em alguns anos.

Veja alguns estudos de cientistas russos:

Supercondutividade em temperatura ambiente
(Room-temperature superconductor)

Artem Ohanov, Professor e membro da Academia Europeia, Membro Devost (Fellow) da Royal Chemical Society e da American Physical Society:

Participou no trabalho com Snyder e Diaz, no qual a supercondutividade à temperatura ambiente foi alcançada experimentalmente pela primeira vez, “embora a pressões de mais de 2,5 milhões de atmosferas” diz Artem. Um supercondutor à temperatura ambiente é um material capaz de exibir supercondutividade em temperaturas operacionais acima de 0 ° C, ou seja, temperaturas que podem ser alcançadas e facilmente mantidas em um ambiente cotidiano.

Cientistas criaram um material misterioso que parece conduzir eletricidade sem qualquer resistência a temperaturas de até 15 °C. É um novo recorde de supercondutividade, um fenômeno geralmente associado a temperaturas muito frias. O material em si é mal compreendido, mas mostra o potencial de uma classe de supercondutores descobertos em 2015.
O último estudo, publicado na Nature, em 14 de outubro de 2020, parecem fornecer evidências convincentes de condutividade de alta temperatura, diz o físico Mikhail Eremets, do Instituto Max Planck de Química em Mainz, Alemanha.

Materiais de Polímero Biomimético: Pele artificial

Por Dmitry IvanovProfessor da Faculdade de Física Fundamental e Engenharia Química da Universidade Estadual de Moscou, M.V. Lomonosov, Chefe do Laboratório de Ciência de Materiais de Engenharia.

Lidera uma equipe de cientistas na Rússia criou tecido sintético para a pele humana que supera muitos dos obstáculos enfrentados na recriação de tecidos vivos por ser macio e firme e ficar mais forte quando esticado.

Essa pesquisa que trabalha no desenvolvimento de materiais com propriedades mecânicas indistinguíveis de tecidos moles vivos. Eles reproduziram com sucesso curvas mecânicas para a pele, tecido conjuntivo, tecido dos vasos sanguíneos e tecido pulmonar. Além deles inúmeros outros estudos estão sendo realizados nessa área de criação de tecidos artificiais que podem ser usados ​​para desenvolver e testar novos medicamentos, reparar tecidos danificados e até substituir órgãos inteiros do corpo humano.

Memória óptica eterna super estável de gravação a laser 

Projeto por Vladimir Sigaev, Professor e Chefe do Departamento de Tecnologia Química de Vidro e Sittalls da RHTU, estuda os processos de gravação a laser fentossegundo (é uma unidade de medida de tempo. Corresponde a 10⁻¹⁵ segundos, ou seja, um quadrilionésimo de segundo) de micro e nanoestruturas em vários materiais semelhantes a vidro, visando o desenvolvimento de memória óptica de arquivo super estável e que não requerendo reescrita indefinidamente, ou seja arquivos de dados com memória “eterna”. Mostramos que o material mais promissor para gravação rápida de dados é o vidro nanoporo do Kremlin.

A gravação direta a laser de femtosegundo e a microusinagem atraem um interesse considerável para uma variedade de aplicações que variam de óptica integrada e microfluídica a óptica plana imprimível e armazenamento de dados ópticos multidimensionais. Os dados registrados em quartzo e vidro nanoporos são totalmente preservados mesmo depois que a mídia é envelhecida a temperaturas de até 800 graus.

Novos materiais para energia solar baseados em perovskites

Um dos tópicos mais atuais na área da tecnologia é o desenvolvimento de novos materiais para energia solar, um novo estudo cordenado por Alexander Mumyatov feito pela Universidade de Moscou e pela Academia Russa de Ciências está trabalhando em um projeto com painéis solares baseados em perovskites organo-inorgânicos híbridos. A Perovskita, é um mineral relativamente raro ocorrendo na forma de cristais ortorrômbicos, que possuem propriedades como supercondutores, ferroeletricidade, ordenação de carga, alta termeletricidade e a interação de propriedades estruturais, magnéticas e de transporte são características bastante observadas nesta família.

As células solares perovskite (PSCs) atraem uma atenção considerável da comunidade de pesquisa devido à alta eficiência de conversão de energia (PCE),que passou de 3,8% em 2009 para 25,5% em 2020.

O estudo conseguiu valores de eficiência, muito acima dos valores até então, aproximam o momento de aplicação prática desses materiais revolucionários.

Em breve mais novidades, acompanhe o Science Tech News!

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:

Coreia do Norte diz que não vai para os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2021

Os relâmpagos desempenharam um papel vital nas origens da vida na Terra

Poder cerebral coletivo: Formigas usam sua sociedade para superar obstáculos

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?