Skip to content

Kernowite: o novo Mineral descoberto no Reino Unido

Kernowite: o novo Mineral descoberto no Reino Unido
Um novo tipo de mineral foi descoberto por cientistas analisando uma rocha extraída em Cornwall há cerca de 220 anos. Um grupo liderado pelo

Um novo tipo de mineral foi descoberto por cientistas analisando uma rocha extraída em Cornwall há cerca de 220 anos.

Um grupo liderado pelo mineralogista do Museu de História Natural (NHM),  Mike Rumsey, fez a descoberta enquanto estudava uma rocha tirada da mina Wheal Gorland à 220 anos atrás.

Durante séculos, os mineralogistas acreditaram que os cristais verdes são uma variação de outro mineral, liroconita, mas o Sr. Rumsey e sua equipe descobriram que ele tem uma composição química diferente.

A liroconita azul é altamente valorizada por colecionadores em todo o mundo, e a maioria vem do sítio Wheal Gorland.

O único espécime conhecido de kernowite, em homenagem a Kernow, que é a palavra da Cornualha para Cornualha, foi coletado em 1700.

Tornou-se parte das coleções geológicas do Museu de História Natural de Londres em 1964.

“Considerando quantos geólogos, garimpeiros e coletores vasculharam o condado ao longo dos séculos em busca de tesouros minerais, é incrível que em 2020 estejamos adicionando um novo mineral”, disse Mike Rumsey, curador principal de minerais do Museu de História Natural.

Science Tech News
Mike Rumsey is principal curator of minerals at the Natural History Museum, which has one of the most important collections in the world

O kernowite é conhecido como mineral secundário pela forma como se formou.

É formada quando outras rochas, próximas à superfície da Terra, e tem seus elementos químicos alterados pela água em circulação. Os elementos presentes no fluido se re-combinam para criar um mineral a partir de diferentes componentes de rocha cristalizada em processos anteriores.

Os elementos agora presentes dentro do fluido se rearem para criar um novo mineral a partir de diferentes elementos da rocha cristalizada anteriormente.

Nem sempre é possível datar a formação de um mineral secundário e muitos provavelmente têm uma curta “vida” por estarem sujeitos à erosão.

“Para mostrar que temos uma nova espécie, devemos realizar análises que determinem a composição química do material, as posições desses átomos dentro da estrutura cristalina 3D”, disse Rumsey.

“Em termos gerais, se uma ou ambas as características são únicas, o mineral é novo.”

“Uma parte de sua estrutura interna era dominada por ferro em vez de alumínio, então achamos digno de um novo nome, kernowite.”

“Embora o kernowite não tenha uma aplicação direta óbvia, todos os minerais recém-encontrados baseiam-se em nossa compreensão dos materiais em geral”, acrescentou.

A descrição do kernowite será publicada na Revista Mineralógica em 2021.

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Regdanvimab promissora terapia de anticorpos para tratamento de pacientes com coronavírus

Cientistas descobrem uma nova classe de células de memória no cérebro

Uma rede artificial mantida na ‘Borda do Caos’ age como um cérebro humano

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?