Skip to content

Administração de Trump tenta mais uma vez inpedir o TikTok de atuar nos EUA

Administração de Trump tenta mais uma vez inpedir o TikTok de atuar nos EUA
O governo Trump ganhou alguma experiência em derrotas no tribunal, recentemente teve novo fracasso após não conseguir a proibição do TikTok  nos Estados

O governo Trump ganhou alguma experiência em derrotas no tribunal, recentemente teve novo fracasso após não conseguir a proibição do TikTok  nos Estados Unidos. Agora em nova tentativa (esta semana) o Departamento de Justiça entrou com um recurso contra a ordem de um juiz que bloqueou as restrições ao TikTok nos Estados Unidos.

O juiz distrital dos EUA, Carl Nichols, emitiu uma ordem em 7 de dezembro que bloqueou as restrições do Departamento de Comércio ao TikTok, o que teria impedido novos downloads do aplicativo nas lojas de aplicativos dos EUA. A ordem de Nichols seguiu-se a uma ordem de outubro da juíza distrital dos EUA Wendy Beetlestone, na Pensilvânia, que emitiu uma liminar contra a proibição. Nesse caso, três criadores de conteúdo argumentaram que uma proibição do TikTok teria um efeito negativo em sua receita. E na segunda-feira, o DOJ apelou da decisão de Nichols ao Tribunal de Apelações dos EUA para o Circuito de DC.

A saga TikTok-Trump começou em agosto, quando o presidente Trump emitiu uma ordem dizendo que as preocupações de segurança sobre o TikTok e o WeChat, ambos aplicativos desenvolvidos na China, constituíam uma emergência nacional. Ele invocou a Lei de Poderes Econômicos de Emergência Internacional (IEEPA),que permite ao presidente proibir transações entre entidades americanas e estrangeiras. O presidente Trump então emitiu uma ordem em 14 de agosto dando à controladora ByteDance 90 dias para vender ou desmembrar seus negócios TikTok nos Estados Unidos. Essa ordem foi definida para entrar em vigor em 12 de novembro e teria interrompido as operações do aplicativo nos Estados Unidos.

Em 18 de setembro, o Departamento de Comércio dos EUA emitiu uma ordem para bloquear os downloads do aplicativo nos EUA. Mas um dia depois, o presidente disse que havia aprovado “em conceito” uma oferta da gigante da computação em nuvem Oracle para se tornar o “parceiro de tecnologia confiável” da TikTok. Esse acordo exigia a criação de uma nova entidade, a TikTok Global, que seria sediada nos EUA e assumiria o processamento e armazenamento para todos os usuários TikTok sediados nos EUA.

Mas então a administração Trump, por algum motivo não especificado se esquivou da aprovação, postergando ações e possivelmente buscando mais prazo para decidir o que realmente seria feito. A TikTok entrou com uma petição em 10 de novembro buscando uma prorrogação de 30 dias do prazo final de 12 de novembro, alegando que não recebeu “nenhum feedback substantivo” da administração Trump. O governo deu uma prorrogação até 27 de novembro e novamente até 4 de dezembro. Em seguida, o governo disse que não cumpriria seu próprio prazo.

A proibição dos EUA tem cada vez menos probabilidade de acontecer.

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

China quer erradicar o Bitcoin e outras moedas digitais

Tiktok diz que seus usuários são mais engajados que do Youtube

Robô do tamanho de insetos navega em labirintos com a agilidade de um guepardo

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?