Skip to content

Aqui está uma razão pela qual preferimos rock para música de nossa juventude

Aqui está uma razão pela qual preferimos rock para música de nossa juventude
As pessoas tendem a ser extremamente nostálgicas sobre a música que ouviam quando eram jovens. Se você fosse um adolescente nos anos 70, é

As pessoas tendem a ser extremamente nostálgicas sobre a música que ouviam quando eram jovens. Se você fosse um adolescente nos anos 70, é provável que você vai amar Queen, Stevie Wonder, ou ABBA. E se você fosse jovem nos anos 90, “Wannabe” das Spice Girls provavelmente ainda te pega na pista de dança.

Mas por que isso? Nós realmente achamos que a música do passado é melhor, ou tem algo a ver com as memórias que temos desse tempo?

Nosso estudo recente, publicado na Revista Music and Science, veio com uma resposta intrigante.

A música está intimamente ligada à memória e à emoção. Há uma razão para a popularidade do programa de rádio da BBC, Desert Island Discs, no qual convidados famosos compartilham a trilha sonora de suas vidas. Ou por que o vídeo recente de uma bailarina aposentada com Alzheimer sendo espontaneamente trazido de volta ao seu passado através da música se tornou viral.

A música parece estar particularmente associada a memórias emocionais positivas com temas sociais, tornando-a relevante para ajudar a melhorar a satisfação com a vida durante a pandemia.

Pesquisas psicológicas gerais mostraram que memórias autobiográficas (experiências de vida) de determinados períodos de tempo são lembradas melhor do que outras.

Um fenômeno particularmente notável é o “bump reminiscência”: o fato de que as pessoas tendem a recordar desproporcionalmente memórias de quando tinham 10 a 30 anos de idade.

Várias explicações teóricas foram oferecidas para este fenômeno, incluindo que este período de vida contém muitas experiências novas e auto definidoras que podem ser codificadas no cérebro mais profundamente e recuperadas com mais facilidade.

Mudanças biológicas e hormonais também podem aumentar a eficácia de nossas memórias durante esse período.

Foi mostrado que quando as pessoas são convidadas a escolher seu disco favorito é provável que venha do período de reminiscência bump e que os idosos sabem mais sobre música de sua juventude do que músicas pop atuais.

Mas isso significa que a música desse período é mais provável que esteja conectada a memórias autobiográficas?

Os resultados

Em nosso estudo, meus colegas e eu investigamos a presença do “bump de reminiscência musical” em um grupo de 470 adultos que tinham entre 18 e 82 anos. Nosso objetivo era investigar como a idade de uma pessoa quando uma canção era popular afetou três conceitos relacionados, mas distintos: o grau em que a canção estava associada a memórias autobiográficas, o quão familiar a canção era e o quanto ela gostava da música.

Os participantes do nosso estudo foram mostrados os títulos e artistas de 111 canções pop que haviam figurado nas paradas em um período de 65 anos (1950-2015) e forneceram classificações dos três conceitos de interesse.

Descobrimos que, em toda a nossa amostra participante como um todo, a música que estava nas paradas durante a adolescência não só foi classificada como mais familiar, mas também estava associada a memórias mais autobiográficas.

Esse aumento de reminiscências relacionada à música atingiu o pico por volta dos 14 anos: canções populares quando os participantes tinham essa idade evocavam mais memórias no geral.

Além disso, os idosos (por volta dos 40 anos) também gostavam mais de músicas de sua adolescência do que de outras canções. No entanto, os adultos mais jovens (18-40 anos) não mostraram essa mesma tendência e em alguns casos deram classificações ainda mais baixas para a música de sua adolescência do que a música lançada antes de nascerem.

Isso sugere que canções de nossa adolescência podem ficar intimamente envolvidas com memórias do nosso passado, mesmo que não valorizemos pessoalmente a música.

Isso pode ser porque ele acompanhou vários cenários memoráveis desse período (danças escolares, encontros com amigos, formaturas, e assim por diante).

Algumas canções eram preferidas, independentemente da idade de um participante quando estavam nas paradas, no entanto. Por exemplo, vimos um aumento geral no quanto as pessoas gostavam de músicas do final dos anos 1970 até o início dos anos 1980, mesmo em participantes que ainda não nasceram durante esse período.

Isso sugere que a música pop de certos períodos de tempo é valorizada intergeracionalmente. Exemplos de músicas que usamos a partir deste período incluem “Hotel Califórnia” do The Eagles, “I Will Survive” de Gloria Gaynor e “Billie Jean” de Michael Jackson.

Então parece que não estamos interessados principalmente na música de nossa juventude porque achamos que é melhor do que música de outras épocas, mas porque está intimamente ligada às nossas memórias pessoais. No entanto, algumas canções podem ser capazes de transcender fronteiras geracionais.

Os anunciantes que desejam provocar uma reação nostálgica de um determinado consumidor demográfico devem tomar nota. Assim como os médicos que pretendem reconectar os pacientes com memórias auto definidoras de seus passados.

Fonte The Conversation

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Leia fatos científicos, não ficção... Nunca houve um momento mais importante para valorizar o conhecimento baseado em evidências e apresentar os avanços científicos e tecnológicos.

Exposição a poluentes causa aumento de danos radicais livres e acelera envelhecimento

Estudo indica que beber café está associado redução de risco de desenvolver doenças hepáticas

Pesquisadores identificam genes responsáveis pelo processo de envelhecimento saudável

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?