Skip to content

Fenômeno misterioso pode estar fazendo o Oceano Atlântico crescer a cada ano

Fenômeno misterioso pode estar fazendo o Oceano Atlântico crescer a cada ano
Os oceanos não são tão iguais como você pensa. Os cientistas estimam que o Oceano Atlântico está crescendo vários centímetros a cada ano. Ao

Os oceanos não são tão iguais como você pensa. Os cientistas estimam que o Oceano Atlântico está crescendo vários centímetros a cada ano. Ao mesmo tempo, o Pacífico está encolhendo.

Esta mudança glacialmente lenta dos oceanos deve-se ao movimento contínuo das placas tectônicas da Terra, á medida que as placas sob as Américas se separam daquelas abaixo da Europa e África.

As forças geofísicas profundas que sustentam esse fenômeno épico ainda estão longe de serem totalmente compreendidas, mas os pesquisadores podem ter identificado um importante contribuinte para o que está acontecendo.

Em um novo estudo, os cientistas sugerem que cumes do meio do oceano, formações montanhosas que emergem ao longo do fundo do mar entre placas tectônicas, poderiam estar mais implicados na transferência de material entre o manto superior e inferior sob a crosta terrestre do que imaginamos anteriormente.

Os 39 locais onde os sismômetros estão espalhados

“Lajes afundando e plumas em ascensão são geralmente aceitas como locais de transferência, enquanto as cristas do meio do oceano não são tipicamente assumidas como um papel”, explica uma equipe liderada pelo sismólogo Matthew Agius, da Universidade de Southampton, no Reino Unido, em um novo artigo.

“No entanto, restrições apertadas de medições in situ em cumes provaram ser desafiadoras.”

Para preencher as lacunas em nosso conhecimento, os pesquisadores implantaram uma frota de 39 sismômetros ao longo do fundo do Atlântico para registrar movimentos sísmicos sob a Cordilheira do Meio-Atlântico, a fronteira da cordilheira que separa tectonicamente as Américas da Europa e da África.

Leituras sísmicas registradas no experimento monitoraram o fluxo de material na zona de transição do manto que fica entre o manto superior e o manto inferior, permitindo que a equipe apenas reduzisse a transferência de material em profundidades até 660 quilômetros abaixo da superfície.

Os resultados sugerem que os aumentos de material químico não se limitam a profundidades rasas na Cordilheira do Meio-Atlântico, mas podem emergir nos confins mais profundos da zona de transição do manto, sugerindo material do manto inferior subindo para cima.

“As observações implicam transferência de material do baixo para o manto superior contínuo ou pontuado, que está ligado à Cordilheira do Meio-Atlântico”, explicam os pesquisadores.

“Dado o comprimento e a longevidade do sistema de cumes do oceano médio, isso implica que a convecção de manto inteiro pode ser mais prevalente do que se pensava anteriormente.”

Instalação de Sismômetro

Embora já se soubesse que as cristas do meio do oceano contribuíram para a propagação do fundo do mar, os novos achados mostram que os processos globais envolvidos se estendem muito mais fundo na Terra do que já foi medido anteriormente, e ainda podem ocorrer mesmo em áreas do fundo do mar não marcadas por regiões de subdução de placas.

“[O trabalho] refuta suposições há muito tempo de que cumes do meio do oceano podem desempenhar um papel passivo na tectônica de placas”, diz o pesquisador sênior e geofísico Mike Kendall, da Universidade de Oxford.

“Isso sugere que, em lugares como o Meio-Atlântico, as forças no cume desempenham um papel importante na condução de placas recém-formadas.”

Fonte: Nature

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Leia fatos científicos, não ficção... Nunca houve um momento mais importante para valorizar o conhecimento baseado em evidências e apresentar os avanços científicos e tecnológicos.

Aumento do CO2 na Amazônia pode afetar mais as chuvas do que o desmatamento

Dinâmica climática global impulsionou o declínio de mastodontes e elefantes, sugere novo estudo

Como as plantas se adaptam rapidamente às mudanças nas condições ambientais

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?