Skip to content

A Via Láctea pode estar repleta de planetas como a Terra com oceanos e continentes 

A Via Láctea pode estar repleta de planetas como a Terra com oceanos e continentes 
De acordo com um novo estudo da Universidade de Copenhague, Terra, Vênus e Marte foram criados a partir de pequenas partículas de poeira contendo

De acordo com um novo estudo da Universidade de Copenhague, Terra, Vênus e Marte foram criados a partir de pequenas partículas de poeira contendo gelo e carbono. A descoberta abre a possibilidade de que a Via Láctea possa estar cheia de planetas aquáticos.

E como a molécula de água ocorre com frequência, há uma probabilidade razoável de que ela se aplique a todos os planetas da Via Láctea.

Para um planeta ter vida, a água líquida deve estar presente. A probabilidade desse cenário parece impossível de calcular porque a teoria atual diz que supostamente a Terra recebeu sua água por acaso quando um grande asteroide de gelo colidiu com o planeta.

Agora, pesquisadores do Instituto GLOBE da Universidade de Copenhagen publicaram um estudo revelador, indicando que a água pode estar presente durante a própria formação de um planeta. De acordo com os cálculos do estudo, isso é o que ocorreu para a Terra, Vênus e Marte.

“Todos os nossos dados sugerem que a água fazia parte dos blocos de construção da Terra, desde o início. E como a molécula de água ocorre com frequência, há uma probabilidade razoável de que ela se aplique a todos os planetas da Via Láctea. O ponto decisivo para saber se a água líquida está presente é a distância do planeta de sua estrela ‘, diz o professor Anders Johansen, do Center for Star and Planet Formation, que liderou o estudo publicado na revista Science Advances.

A Via Láctea pode estar repleta de planetas como a Terra com oceanos e continentes 
A Via Láctea pode estar repleta de planetas como a Terra com oceanos e continentes

Todos os planetas são formados por gelo?

Usando um modelo de computador, Anders Johansen e sua equipe calcularam a rapidez com que os planetas são formados e a partir de quais blocos de construção. O estudo indica que foram partículas milimétricas de poeira de gelo e carbono, que orbitam ao redor de todas as estrelas jovens da Via Láctea, que 4,5 bilhões de anos atrás se acumularam na formação do que mais tarde se tornaria a Terra.

A teoria, chamada “acreção de pedra”, é o acúmulo de partículas em um objeto massivo, atraindo gravitacionalmente mais matéria, tipicamente matéria gasosa, em um disco de acreção. A maioria dos objetos astronômicos, como galáxias, estrelas e planetas, são formados por processos de acreção.

Anders Johansen explica que a molécula de água H2O é encontrado em toda parte em nossa galáxia, e que a teoria, portanto, abre a possibilidade de que outros planetas possam ter sido formados da mesma forma que a Terra, Marte e Vênus.

Se os planetas em nossa galáxia tivessem os mesmos blocos de construção e as mesmas condições de temperatura que a Terra, também haveria boas chances de que eles possam ter a mesma quantidade de água e continentes que nosso planeta.

Se, por outro lado, fosse aleatório quanta água estava presente nos planetas, os planetas poderiam parecer muito diferentes. Alguns planetas seriam muito secos para desenvolver vida, enquanto outros estariam completamente cobertos pela água.

Anders Johansen e sua equipe de pesquisa estão ansiosos pela próxima geração de telescópios espaciais, que oferecerão oportunidades muito melhores para observar exoplanetas orbitando uma estrela diferente do Sol.

“Os novos telescópios são poderosos. Eles usam espectroscopia, o que significa que observando que tipo de luz está sendo bloqueada da órbita dos planetas em torno de sua estrela, você pode ver quanto vapor de água existe. Poderá até nos dizer algo sobre o número de oceanos naquele planeta”, diz Johansen.

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Aumento do CO2 na Amazônia pode afetar mais as chuvas do que o desmatamento

Dinâmica climática global impulsionou o declínio de mastodontes e elefantes, sugere novo estudo

Como as plantas se adaptam rapidamente às mudanças nas condições ambientais

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?