Skip to content

Negação das mudanças climáticas é um ponto de vista?

Negação das mudanças climáticas é um ponto de vista?
Os termos “aquecimento global” e “mudança climática” nunca apareceram tão fortes como agora, mas ao relacionar a história de um evento literalmente abalador na

Os termos “aquecimento global” e “mudança climática” nunca apareceram tão fortes como agora, mas ao relacionar a história de um evento literalmente abalador na terra, que ocorreu há 200 anos, os autores do livro “O Ano Sem Verão” descreveram um passado que se assemelha ao nosso presente de maneiras tão estranhas, numerosas e fundamentais.

Um vulcão cuja erupção foi a mais poderosa da história registrada e muitas mudanças que a fumaça e as cinzas do vulcão desencadearam neste planeta.

O vulcão, chamado Tambora e localizado na ilha de Java, no que hoje é a Indonésia, explodiu em 5 de abril de 1816. Enquanto rochas líquidas e gás superaquecidos jorravam pela montanha, estima-se que 12.000 pessoas locais morreram em 24 horas.

Science Tech News
O monte Tambora é um estratovulcão ou vulcão complexo ativo, na ilha de Sumbawa, Indonésia, com 2 722 m ou 2 850 m de altitude.

Mas um número muito maior e distante, de mortes ainda estava por vir. À medida que os detritos da erupção subiam para o céu, geravam uma nuvem de aerossol do tamanho da Austrália. Os ventos então sopraram esta nuvem para oeste através dos continentes, sobre a Ásia, Europa e Américas.

Invisivelmente pequenas, as gotículas de ácido sulfúrico que formavam esta nuvem eram muito leves para cair na Terra através da força da gravidade, mas tinham massa suficiente para refletir alguns dos raios de entrada do Sol de volta ao espaço. O resultado foi uma mudança dramática nas temperaturas globais. Antes do fim do ano, o tempo em grande parte do planeta tinha ficado estranho, desagradável, brutal e acima de tudo extremamente frio.

Frio? Vem de novo? Isso não repudia qualquer ligação com o aquecimento global? Pelo contrário, destaca o primeiro paralelo entre a erupção de Tambora e a experiência do nosso próprio dia com as mudanças climáticas, incluindo uma longa leitura errada do que realmente está acontecendo no mundo físico que habitamos.

Science Tech News
James Hansen

O conceito de aquecimento global feito pelo homem foi decisivamente colocado na agenda pública há 25 anos, em junho deste ano, quando o cientista da NASA James Hansen testemunhou ao Senado dos EUA que um aumento nas emissões de gases de efeito estufa, iniciado pela extensa queima de combustível fóssil durante a Revolução Industrial do século XVIII, havia aumentado significativamente as temperaturas globais médias. Depois que o The New York Times relatou o testemunho de Hansen na primeira página, “aquecimento global” tornou-se uma frase comum em todo o mundo. Mesmo políticos conservadores como a primeira-ministra britânica Margaret Thatcher e o presidente George H. W. Bush pediram ação, com Bush se comprometendo a “combater o efeito estufa com o efeito da Casa Branca”.

Mas nos bastidores, empresas de combustíveis fósseis estavam se mobilizando para desarmar essa ameaça. Eles investiram milhões de dólares em uma campanha de desinformação que visava “reposicionar o aquecimento global como teoria e não como fato”, de acordo com um memorando de estratégia interna. Atacar a ciência foi fundamental, que é onde erupções vulcânicas entram na história.

Em 1991, um vulcão nas Filipinas chamado Pinatubo entrou em erupção. Como Tambora, Pinatubo desencadeou uma nuvem de aerossol que bloqueou a entrada de alguns raios solares na atmosfera, diminuindo assim as temperaturas globais. Acabou por ser um desenvolvimento muito conveniente para os negadores das mudanças climáticas, pois eles poderiam então apontando para um aparente achatamento das temperaturas globais no início dos anos 1990 para desconsiderar a afirmação de Hansen de que o aquecimento global feito pelo homem havia começado.

Claro, os cientistas explicaram que a nuvem de aerossol de Pinatubo estava apenas mascarando a tendência de aquecimento subjacente temporariamente. E com certeza, a tendência reapareceu em meados da década de 1990, depois que a nuvem de Pinatubo se dispersou. Até então, no entanto, a campanha de desinformação havia plantado dúvidas suficientes de que a negação das mudanças climáticas foi estabelecida como um ponto de vista válido nos EUA, especialmente em Washington, D.C., onde continua a frustrar a ação do governo até hoje.

Há sempre espaço para os descrentes e meticulosos.

Em paralelo, um dos pontos de discussão favoritos dos negadores era que mesmo que os “alarmistas” estivessem certos era irrelevante alguns graus a mais.

De maio a setembro de 1816, as temperaturas na Nova Inglaterra foram “apenas” de 2 a 7 graus Fahrenheit abaixo do normal. No entanto, essa tendência mais baixa continha eventos individuais extremos suficientes para devastar a agricultura e dar sinais de alerta para instituições políticas, econômicas e sociais.

No vale do rio Hudson, em Nova York, uma geada em meados de junho, deixou as culturas de trigo, centeio e vegetais “quase inteiramente destruídas”. Em Quebec, agricultores que rotineiramente tinham que preparar as ovelhas para as temperaturas de verão, viram elas tremerem até a morte depois de uma amarga tempestade de neve, no verão em 6 de junho. Em setembro, outra geada anormalmente cronometrada arruinou o que restou da colheita, “matando praticamente todas as culturas que permaneceram ao norte da Pensilvânia”.

Em um terceiro paralelo entre então e agora, os agricultores, consumidores e governos confrontados com esse clima punitivo responderam da mesma forma que seus homólogos modernos reagiram. Assim como a Rússia de Putin interrompeu as exportações de grãos após o calor recorde e a seca caiu nos rendimentos em 2010, em 1816 os governos do Canadá, Holanda e Alemanha proibiram as exportações de grãos e batatas. Em 2007 e 2008, as deficiências de produção fizeram com que os preços dos alimentos no varejo subissem acima do poder aquisitivo de muitas pessoas da classe trabalhadora em todo o mundo.

Em 1816, a escassez também elevou os preços do trigo na Grã-Bretanha e na França dobraram; na Suíça, eles quadruplicaram. (A qualidade também diminuiu. Graças ao frio incessante e à chuva, “Você não podia comer o pão”, reclamou um camponês. “Ele grudou na faca.” E assim como os altos preços de 2008 provocaram agitação social em dezenas de países, quase derrubando governos, as massas rurais e urbana famintas se rebelam e protestaram em 1816. “Os crimes se multiplicam com desejos”, observou um viajante na Suíça, acrescentando: “as prisões estão cheias e as execuções são frequentes”.

O quarto paralelo é o mais bizarro ou sombriamente de todos. À medida que o clima medonho de 1816 persistia, as Fake News na época eram divulgas sem freios. A explicação favorecida entre os aprendidos foram as manchas solares. Jornais da Europa e dos EUA citaram a aparição, em abril, de um ponto extraordinariamente grande na superfície do sol como uma provável causa do clima desastrosamente frígido.

Isso foi cientificamente equivocado, assim como os negadores modernos das mudanças climáticas têm sido ao culpar as manchas solares pelo aumento das temperaturas globais. A prova é Frederick Seitz, ex-presidente da Academia Nacional de Ciências dos EUA que, antes de liderar a acusação contra a ciência climática nos anos 1990, recebeu US$ 45 milhões da R.J. Reynolds Tobacco Co. para financiar pesquisas que desacreditaram a ideia de que o tabagismo causa câncer. Em uma entrevista de 2006, Seitz me mostrou um gráfico que supostamente demonstrou uma ligação entre manchas solares e a mudança dos níveis globais de temperatura, dizendo: “É isso que os cientistas deveriam estar investigando”.

Finalmente, para aqueles não convencidos pela ciência, houve em 1816, como acontece ainda hoje, explicações sobrenaturais. Padres em Paris e profetas auto-proclamados na Nova Inglaterra exortaram os seguidores a apelar a Deus pela libertação do tempo.

É estranho e lamentável, que o “O Ano Sem Verão” há 200 anos, não levou ninguém a fazer as conexões das consequências do Tambora e como isso está relacionado a história atual onde nossa própria sociedade está enfrentando a ameaça das mudanças climáticas globais.

É difícil imaginar que os autores, um par de acadêmicos que por acaso são pai e filho, se esquivaram dos fatos em seu livro. Talvez eles assumam que os leitores reconhecerão os paralelos por conta própria. Ou talvez os autores temam ser acusados de escrever sem conhecimento.

Mas com nossa civilização se aproximando rapidamente de uma catástrofe inigualável de nossa própria criação, tal contenção autoimposta trai nossas crianças e a responsabilidade com o futuro.

Esse texto reflete a opinião do autor e faz a conexão entre o livro O Ano Sem Verão, comparação dos fatos reais daquela época com os de agora e a reflexão de Mark Hertsgaard (On the parallels with climate change today).

Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Quanto tempo uma pessoa pode viver no século 21?

Um osso esculpido de 51.000 anos mostra que os neandertais eram artistas, assim como nós

Aumento do CO2 na Amazônia pode afetar mais as chuvas do que o desmatamento

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?