Skip to content

Programa de remoção de lixo espacial da órbita da Terra está mais perto

Programa de remoção de lixo espacial da órbita da Terra está mais perto
A Agência Espacial Europeia anunciou que o programa de remoção de lixo espacial da órbita da Terra está mais perto do que nunca, eles

A Agência Espacial Europeia anunciou que o programa de remoção de lixo espacial da órbita da Terra está mais perto do que nunca, eles planejam usar um propulsor de iodo para mudar a órbita de satélites ao redor da Terra, permitindo que pequenos satélites se autodestruam direcionando-os para colidir com a atmosfera de nosso planeta.

A agência informou que pela primeira vez, um satélite de telecomunicações usou um propelente de iodo para mudar sua órbita ao redor da Terra.

Science Tech News

A inovação pequena, mas potencialmente disruptiva, poderia ajudar a limpar os céus do lixo espacial, permitindo que satélites compactos se autodestruíssem de forma barata e fácil no final de suas missões, dirigindo-se para a atmosfera onde se incendiariam.

A tecnologia também pode ser usada para impulsionar a vida útil da missão de pequenos CubeSats que monitoram plantações agrícolas na Terra ou mega-constelações inteiras de nanosats que fornecem acesso global à Internet, aumentando suas órbitas quando começam a derivar em direção ao planeta.

A tecnologia foi desenvolvida pela ThrustMe, uma empresa spin-off da École Polytechnique e do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica (CNRS),e apoiada pela ESA por meio de seu programa de Pesquisa Avançada em Sistemas de Telecomunicações (ARTES).

Ele usa um novo propelente, o iodo, em um propulsor elétrico que controla a altura do satélite acima da Terra. O iodo é mais barato e usa tecnologias mais simples do que os propelentes tradicionais.

Ao contrário de muitos propelentes tradicionais, o iodo não é tóxico e é sólido à temperatura e pressão ambientes. Isso torna o manuseio mais fácil e barato na Terra.

Quando aquecido, transforma-se em gás sem passar pela fase líquida, o que o torna ideal para um sistema de propulsão simples. Também é mais denso que os propelentes tradicionais, por isso ocupa volumes menores a bordo do satélite.

ThrustMe lançou seu propulsor de iodo em um nanosat de pesquisa comercial chamado SpaceTy Beihangkongshi-1 que foi ao espaço em novembro de 2020. Ele foi testado no início deste mês antes de ser usado para alterar a órbita do satélite.

Fonte esa.int

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Coreia do Norte diz que não vai para os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2021

Os relâmpagos desempenharam um papel vital nas origens da vida na Terra

Novo estudo sugere teoria alternativa sobre a composição do Universo

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?