Skip to content

Programa de remoção de lixo espacial da órbita da Terra está mais perto

Programa de remoção de lixo espacial da órbita da Terra está mais perto
A Agência Espacial Europeia anunciou que o programa de remoção de lixo espacial da órbita da Terra está mais perto do que nunca, eles

A Agência Espacial Europeia anunciou que o programa de remoção de lixo espacial da órbita da Terra está mais perto do que nunca, eles planejam usar um propulsor de iodo para mudar a órbita de satélites ao redor da Terra, permitindo que pequenos satélites se autodestruam direcionando-os para colidir com a atmosfera de nosso planeta.

A agência informou que pela primeira vez, um satélite de telecomunicações usou um propelente de iodo para mudar sua órbita ao redor da Terra.

Science Tech News

A inovação pequena, mas potencialmente disruptiva, poderia ajudar a limpar os céus do lixo espacial, permitindo que satélites compactos se autodestruíssem de forma barata e fácil no final de suas missões, dirigindo-se para a atmosfera onde se incendiariam.

A tecnologia também pode ser usada para impulsionar a vida útil da missão de pequenos CubeSats que monitoram plantações agrícolas na Terra ou mega-constelações inteiras de nanosats que fornecem acesso global à Internet, aumentando suas órbitas quando começam a derivar em direção ao planeta.

A tecnologia foi desenvolvida pela ThrustMe, uma empresa spin-off da École Polytechnique e do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica (CNRS),e apoiada pela ESA por meio de seu programa de Pesquisa Avançada em Sistemas de Telecomunicações (ARTES).

Ele usa um novo propelente, o iodo, em um propulsor elétrico que controla a altura do satélite acima da Terra. O iodo é mais barato e usa tecnologias mais simples do que os propelentes tradicionais.

Ao contrário de muitos propelentes tradicionais, o iodo não é tóxico e é sólido à temperatura e pressão ambientes. Isso torna o manuseio mais fácil e barato na Terra.

Quando aquecido, transforma-se em gás sem passar pela fase líquida, o que o torna ideal para um sistema de propulsão simples. Também é mais denso que os propelentes tradicionais, por isso ocupa volumes menores a bordo do satélite.

ThrustMe lançou seu propulsor de iodo em um nanosat de pesquisa comercial chamado SpaceTy Beihangkongshi-1 que foi ao espaço em novembro de 2020. Ele foi testado no início deste mês antes de ser usado para alterar a órbita do satélite.

Fonte esa.int

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Planetas com a massa da Terra estão à deriva na Via Láctea

O que são experiências de quase-morte e como podem acontecer?

Oceano ‘Zonas Mortas’ estão liberando um dos piores gases de efeito estufa

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?