Skip to content

Imagens capturadas por drones mostram que até baleias assassinas têm ‘amigos’ próximos

Imagens capturadas por drones mostram que até baleias assassinas têm ‘amigos’ próximos
Imagens de drones capturaram as vidas sociais de baleias assassinas residentes do sul como nunca antes e suas amizades parecem surpreendentemente semelhantes às nossas.

Imagens de drones capturaram as vidas sociais de baleias assassinas residentes do sul como nunca antes e suas amizades parecem surpreendentemente semelhantes às nossas.

Rastreando um único grupo de 22 baleias assassinas por 10 dias, os pesquisadores observaram uma complexa rede de relacionamentos, incluindo amizades próximas.

Imagens capturadas por drones mostram até baleias assassinas têm ‘amigos’ próximos
Imagens capturadas por drones mostram até baleias assassinas têm ‘amigos’ próximos

Baleias assassinas residentes vivem a vida inteira na mesma cápsula em que nasceram, mas isso não significa que elas tenham que gostar de todos ao seu redor igualmente. Ao longo de suas vidas, suas relações com outras baleias em seu grupo parecem escorrer e fluir.

Em imagens de drones, os pesquisadores notaram que a maioria das baleias mostrava preferência pela companhia de indivíduos específicos, optando por aparecer com elas e tocá-las com mais frequência do que outras.

São sinais de cooperação e afiliação social, o que implica um vínculo estreito. Muitas vezes, essas relações próximas se formaram entre baleias do mesmo sexo e idade.

“Nossas descobertas mostram que, mesmo dentro desses grupos, as baleias preferem interagir com indivíduos específicos”, diz Michael Weiss, da Universidade de Exeter e principal autor do estudo.

“É como quando sua mãe te leva a uma festa quando criança, você não escolheu a festa, mas você ainda pode escolher com quem interagir quando estiver lá.”

A julgar pelo contato físico entre certas baleias, as jovens fêmeas são a vida da festa. Eles pareciam desempenhar um papel central na rede social do grupo.

Os autores não sabem ao certo por que isso, mas sugerem que baleias assassinas adultas passam mais tempo forrageando e menos tempo socializando para manter seus corpos maiores.

Por outro lado, as baleias jovens são amamentadas por suas mães e alimentadas por outras presas, o que as libera para brincar com seus amigos, especialmente outras baleias jovens que não estão ocupadas caçando.

“Ficamos surpresos ao ver quanto contato há entre as baleias, quão táteis elas são”, diz o ecologista comportamental Darren Croft, da Universidade de Exeter.

Croft é fascinado pelos paralelos que notou entre baleias e outros animais como nós.

“Em muitas espécies, incluindo os humanos, o contato físico tende a ser uma atividade reconfortante e aliviante do estresse que reforça a conexão social”, explica.

“Também examinamos ocasiões em que as baleias surgiram juntas, como agir em uníssono é um sinal de laços sociais em muitas espécies.”

Um dos paralelos mais intrigantes que Croft e seus colegas notaram tem a ver com a idade. Quanto mais velha a baleia assassina, menos social eles pareciam estar na filmagem.

Isso se alinha ao comportamento de outros mamíferos sociais, que também tendem a se tornar menos sociais à medida que envelhecem, incluindo os humanos.

“Essa aparente semelhança entre primatas e a história da vida social das baleias assassinas é particularmente interessante, dadas as histórias convergentes de vida reprodutiva em baleias assassinas e humanos”.

“Baleias assassinas também podem formar ativamente relacionamentos importantes e habilidades sociais em uma idade jovem, como em outras sociedades matrilineais.”

Mais pesquisas são necessárias entre outras grupos de baleias assassinas para confirmar esses resultados, especialmente porque ninguém notou idade e sexo influenciando as relações com baleias assassinas antes.

Outras espécies de baleias mostram estruturas sociais quase tão complexas quanto as nossas. Alguns golfinhos até formam amizades baseadas em interesses compartilhados, então a falta de evidências entre baleias assassinas tem sido confusa.

A nova pesquisa sugere que simplesmente não estávamos olhando fundo o suficiente. A maioria dos nossos estudos até agora foram limitados a avistamentos na superfície do oceano, enquanto as imagens de drones podem nos permitir ter vislumbres do comportamento das baleias abaixo das ondas, também.

Ter um olho no céu pode mudar a forma como vemos essas baleias.

FonteThe Royal Society 

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Leia fatos científicos, não ficção... Nunca houve um momento mais importante para valorizar o conhecimento baseado em evidências e apresentar os avanços científicos e tecnológicos.

O que são experiências de quase-morte e como podem acontecer?

Oceano ‘Zonas Mortas’ estão liberando um dos piores gases de efeito estufa

A criosfera da Terra está encolhendo em 87.000 quilômetros quadrados por ano

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?