Skip to content

Entenda porque os carrapatos são cautelosos com bactérias da pele humana

Entenda porque os carrapatos são cautelosos com bactérias da pele humana
Você sabe o que são os carrapatos? Carrapatos ou carraças são pequenos aracnídeos ectoparasitas hematófagos, responsáveis pela transmissão de inúmeras doenças. Registros fósseis sugerem

Você sabe o que são os carrapatos?

Carrapatos ou carraças são pequenos aracnídeos ectoparasitas hematófagos, responsáveis pela transmissão de inúmeras doenças. Registros fósseis sugerem sua existência há pelo menos 90 milhões de anos, com mais de 800 tipos.

De acordo com a infectologista Joana Darc Gonçalves da Silva, nos humanos, esses aracnídeos podem causar desde pequenas manifestações alérgicas, em que a pessoa tem escoriações e manchas vermelhas pelo corpo, até algumas doenças como a febre maculosa, transmitida pelo carrapato infectado.

Os carrapatos, assim como ácaros, estão intimamente relacionados a aranhas. Esses seres diminutos, às vezes transportados como parasitas nos corpos de humanos e de animais, podem transmitir doenças a humanos.

Os carrapatos são portadores de muitas doenças. Por exemplo, os carrapatos de veado podem ser portadores das bactérias que causam a doença de Lyme ou dos protozoários que causam a babesiose. Outros tipos de carrapatos podem ser portadores das bactérias que causam a febre maculosa das Montanhas Rochosas ou a ehrlichiose.

As picadas do carrapato pajaroello (Ornithodoros coriaceus),que se encontra no México e no sudoeste dos Estados Unidos, produzem bolhas cheias de pus que, ao estourar, deixam feridas que se transformam posteriormente em crostas (escaras).

Como alguns carrapatos se protegem de bactérias mortais na pele humana

Os carrapatos podem ter motivos para serem tão cautelosos conosco quanto nós somos com eles.

As bactérias que são potencialmente mortais para os sugadores de sangue vivem na pele humana. Mas um gene de bactérias que os carrapatos incorporaram em seu código genético cerca de 40 milhões de anos atrás ajuda a proteger os aracnídeos daqueles supostos assassinos microbianos, conforme descoberto através de novos estudos.

Science Tech News
Imagem de Paco Silva por Pixabay

Esse gene produz uma proteína, chamada Dae2, que os carrapatos de patas negras (Ixodes scapularis ) podem usar para evitar ameaças microbianas, relataram pesquisadores em 10 de dezembro na Cell. Mas não é uma arma de oportunidades iguais. Em um tubo de ensaio, a proteína não mexe com bactérias que não incomodam os carrapatos, incluindo Borrelia burgdorferi, a bactéria causadora da doença de Lyme.

A descoberta pode explicar como os carrapatos podem passar pelas defesas dos humanos para transmitir doenças por meio de sua picada, incluindo a doença de Lyme, a doença transmitida por carrapatos mais comuns na América do Norte.

A saliva dos aracnídeos contém muitas proteínas que matam bactérias. Mas poucos estudos analisaram como essas proteínas permitem que os carrapatos se defendam de alguns micróbios, enquanto retêm espécies que não são perigosas para os carrapatos, diz Albert Mulenga, biólogo vetorial da Texas A&M University em College Station que não esteve envolvido no estudo. Esses estudos podem ajudar os cientistas a identificar as proteínas cruciais para a alimentação dos carrapatos e também para a transmissão de doenças. Os pesquisadores podem, então, desenvolver maneiras de interferir com essas proteínas, impedindo que os carrapatos propaguem doenças.

As bactérias hoje usam sua versão do Dae2 para atacar e matar outras bactérias que competem por nutrientes, visando e degradando um componente da parede celular. Sem esse componente, as células bacterianas rivais se rompem e morrem. Mas não está claro como os carrapatos de patas pretas usam sua versão do Dae2, que é encontrada na saliva e nas vísceras dos carrapatos.

A maior dúvida era qual bactéria ataca o alvo Dae2 dos carrapatos, diz Seemay Chou, microbiologista e bioquímico da Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Chou e colegas previram que o Dae2 pode ajudar os carrapatos de perna preta a controlar o crescimento de B. burgdorferi . Trabalhos anteriores mostraram que carrapatos sem Dae2 carregavam mais do micróbio da doença de Lyme do que carrapatos com Dae2 quando os aracnídeos se alimentavam de ratos infectados com o micróbio. Mas experimentos repetidos descobriram que a proteína falhou em matar as bactérias em um tubo de ensaio, sugerindo que a hipótese da equipe estava errada.

“Queríamos tanto que isso fosse verdade que estávamos perdendo os sinais vermelhos nos dizendo que esse não pode ser o caso”, disse Beth Hayes, microbiologista do laboratório de Chou.

Quando Chou, Hayes e seus colegas finalmente começaram a testar a proteína contra outros tipos de bactérias, o Dae2 dos carrapatos revelou-se surpreendentemente eficaz. Em um tubo de ensaio, Dae2 matou Bacillus subtilis, uma espécie bacteriana comum encontrada no solo, bem como espécies de pele humana como Staphylococcus epidermidis e Corynebacterium propinquum . Essas bactérias normalmente não causam doenças nas pessoas. Mas podem ser más notícias para os carrapatos, concluíram os pesquisadores.

Quando os carrapatos que foram impedidos de produzir Dae2 ou tiveram sua atividade bloqueada alimentados em camundongos, os aracnídeos tenderam a ter níveis mais altos de bactérias Staphylococcus do que os carrapatos com Dae2 ativo. E quando os pesquisadores infectaram carrapatos sem Dae2 com S. epidermidis, menos de 40% sobreviveram por mais de um dia. A maioria dos carrapatos infectados com Dae2, entretanto, sobreviveu tanto quanto os carrapatos não infectados.

Olhando para trás, “realmente não faz sentido olhar para as coisas que estão sobrevivendo e prosperando nos carrapatos”, disse Chou. “O patógeno de Lyme está claramente em uma parceria harmoniosa com o carrapato, então se o sistema imunológico do carrapato evoluiu para atingir qualquer coisa, são todas as coisas que não estão lá”.

Ainda não está claro o que pode acontecer aos carrapatos que encontram a bactéria Staphylococcus na natureza. “Nós realmente não sabemos quantas bactérias estão na farinha de sangue enquanto [os carrapatos] estão se alimentando”, diz Mulenga. É possível que os aracnídeos sejam expostos a níveis não letais, mas que possam ter outros efeitos negativos, como impedir que os carrapatos progridam em seu ciclo de vida.

Ainda assim, as descobertas enfatizam que os carrapatos são “máquinas sugadoras de sangue realmente elegantes” e destacam que a palavra “patógeno” é apenas um status, dependente de quem é o hospedeiro, diz Chou. Conforme os carrapatos se alimentam de sangue, há uma  “situação de espelho em que os carrapatos (carregam) o patógeno Lyme, que é muito perigoso para nós e nossos micróbios da pele são muito ruins para os carrapatos”, diz ela.

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Leia fatos científicos, não ficção... Nunca houve um momento mais importante para valorizar o conhecimento baseado em evidências e apresentar os avanços científicos e tecnológicos.

Coreia do Norte diz que não vai para os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2021

Os relâmpagos desempenharam um papel vital nas origens da vida na Terra

Pesquisadores identificam genes responsáveis pelo processo de envelhecimento saudável

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?