Skip to content

Caça ilegal e perda de habitat ameaçada espécies de elefantes da África

Caça ilegal e perda de habitat ameaçada espécies de elefantes da África
Espécies de elefantes da África estão ameaçadas de extinção devido à caça ilegal e à perda de habitat. Os humanos exploram os elefantes africanos

Espécies de elefantes da África estão ameaçadas de extinção devido à caça ilegal e à perda de habitat.
Os humanos exploram os elefantes africanos há séculos. Mais de 2.000 anos atrás, a demanda do Império Romano por marfim levou à extinção de populações de elefantes geneticamente distintas no norte da África . Mas, nos últimos tempos, o aumento da população entre os elefantes da África Austral e o declínio no resto do continente tornaram difícil avaliar claramente o quão ameaçada está a espécie em geral.

Uma equipe de cientistas que recentemente revisou o status dos elefantes africanos para a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). Foram compilado dados de mais de 400 locais em toda a África, abrangendo 50 anos de esforços de conservação, e a pesquisa revelou dados preocupantes.

O número de elefantes da savana africana, a maior subespécie de elefantes, diminuiu 60% desde 1990. E os elefantes da floresta, que a IUCN está tratando como uma espécie separada pela primeira vez, diminuíram em número em mais de 86%. Com base em nossa avaliação, a IUCN mudou sua lista de “vulnerável” para os elefantes africanos para “em perigo” e para os elefantes da savana em “criticamente em perigo” para os elefantes da floresta.

Avaliações independentes das espécies

Ao separar os elefantes da savana e da floresta em avaliações independentes, nosso relatório revela o estado crítico dos elefantes da floresta mais esquivos, que foi ofuscado em análises anteriores que agruparam todos os elefantes da África.

Evidências científicas mostravam que era necessário separar as espécies foram se acumulando nas últimas décadas e muitos taxonomistas achavam que essa divisão já devia ter acontecido há muito tempo.

A pesquisa sobre os elefantes da floresta destaca o declínio dramático que esses gigantes estão sofrendo. Estudos também mostram que eles estão entre os mamíferos de reprodução mais lenta do planeta. Isso significa que, mesmo que recebam proteção adequada, sua recuperação levará décadas.

Caça ilegal e perda de habitat ameaçada espécies de elefantes da África
A invasão de habitats, o aumento da densidade populacional humana, a expansão urbana, o desenvolvimento agrícola, o desmatamento e o desenvolvimento de infraestrutura estão reduzindo as pastagens dos elefantes africanos. CC BY-NC-SA

Os cientistas acreditam que as populações de elefantes em toda a África realmente aumentaram durante o início do século 20, quando as nações estavam entrincheiradas em guerras globais e o consumo de marfim e outros itens de luxo diminuiu. Após a Segunda Guerra Mundial, no entanto, o consumo conspícuo aumentou. A caça excessiva de marfim causou uma queda acentuada no número de elefantes nas décadas de 1970 e 1980.

Mercado negro da África de marfim 

Redes de comércio global interconectadas, fronteiras mal observadas e não regulamentadas em muitas partes da África, fizeram crescer a demanda de marfim em parte do mundo, rapidamente teve aumento nos preços no mercado negro da África. E esses preços mais altos estimularam à caça ilegal.

Perda de habitat

A remoção de elefantes de áreas para abrir caminho para a conversão de florestas e pastagens para a agricultura levou ao esgotamento de grande parte da faixa histórica dos elefantes africanos. A perda de habitat também aproxima elefantes e humanos, levando a mais conflitos entre humanos e elefantes. Tais confrontos levam à perda direta de elefantes. Os Elefantes também se tornaram um fardo para pequenas comunidades, que acabam tendo inúmeros problemas e dificuldades com a aglomeração desses gigantes, e assim perdem seu interesse e apoio à conservação.

Caça ilegal e perda de habitat ameaçada espécies de elefantes da África
Caça ilegal e perda de habitat ameaçada espécies de elefantes da África

Menos de 1/5 do habitat de elefantes africanos permanece

A quantidade de terra que os elefantes africanos poderiam habitar é de cerca de 18 milhões de quilômetros quadrados, mas seu alcance real é de apenas 17% desse espaço. Apensa 18 milhões de quilômetros quadrados na África ainda tem habitat adequado para elefantes, o Projeto Mara Elephant analisou o habitat dos elefantes usando o rastreamento GPS de 229 elefantes ao longo de 15 anos.

Usando o Google Earth Engine, uma plataforma de computação de imagens de satélite, os pesquisadores analisaram a vegetação, cobertura de árvores, temperatura da superfície, chuva, água, inclinação, influência humana agregada e áreas protegidas nas áreas que os elefantes atravessaram. Isso permitiu que eles determinassem quais habitats podem suportar elefantes, e os extremos das condições que eles podem tolerar atualmente.

Esforços de conservação

Embora a escala de declínio nas populações de elefantes da África seja esmagadora, há muitos exemplos de esforços de conservação bem-sucedidos em todo o continente. O esforço de Conservação Transfronteira KAZA (Kavango-Zambezi),ancorado por Botsuana, detém a maior população de elefantes contíguos do continente, e essa população tem experimentado um forte crescimento nos últimos 50 anos. Esse sucesso reflete a colaboração do governo através das fronteiras e o trabalho com as comunidades locais.

Os esforços internacionais conjuntos para reduzir o comércio ilegal de marfim estão conscientizando mais as pessoas sobre os problemas com o consumo de marfim. A China proibiu o comércio doméstico de marfim em 2017, e simultaneamente a caça ilegal de marfim em muitas populações de elefantes na África diminuiu, incluindo nas maiores populações da Tanzânia e do Quênia, que estavam sob forte pressão há menos de 10 anos. A população central de elefantes florestais no Gabão, quediminuiu 80% entre 2004 e 2014,estabilizou com o aumento do investimento do governo e a redução da pressão de caça ilegal.

Um trabalho inovador com comunidades em países como Namíbia e Quênia para aumentar a subsistência das pessoas, desenvolvendo economias apoiadas pela vida selvagem, levou à proteção de enormes extensões de terras como áreas de conservação. E pesquisadores e conservacionistas estão trabalhando para encontrar soluções para conflitos entre atividades humanas e necessidades de elefantes que possam ser aplicados em toda a África.

Ao destacar o estado precário das duas espécies de elefantes da África, a pesquisa espera que esta Avaliação da Lista Vermelha possa ajudar a motivar os países africanos com populações de elefantes e a comunidade internacional a investir em medidas que apoiem a conservação de elefantes.

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Os relâmpagos desempenharam um papel vital nas origens da vida na Terra

Poder cerebral coletivo: Formigas usam sua sociedade para superar obstáculos

14 animais trazidos de volta da beira da extinção

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?