Skip to content

Gene neandertal encontrado em muitas pessoas pode aumentar a gravidade do COVID-19

Gene neandertal encontrado em muitas pessoas pode aumentar a gravidade do COVID-19
Um número pequeno, mas significativo de pessoas tem uma variante do gene antigo do hominídeo extinto que pode dobrar, ou até quadruplicar, o risco

Um número pequeno, mas significativo de pessoas tem uma variante do gene antigo do hominídeo extinto que pode dobrar, ou até quadruplicar, o risco de complicações graves de COVID-19

A descoberta, postada na semana passada como uma pré-impressão no bioRxiv, acende uma enzima chamada Dipeptidyl Peptidase-4, a proteína permite que outro coronavírus se ligue e entre nas células humanas, a síndrome respiratória do Oriente Médio (SMS). A nova análise, de variantes genéticas DPP4 entre pacientes COVID-19, sugere que a enzima também fornece uma segunda porta para o SARS-CoV-2 em nossas células, o estudo ainda está em andamento e a conclusão é provisória.

Outros grupos que procuram em bancos de dados genéticos fatores que influenciam a gravidade do COVID-19 não sinalizaram o gene DPP4. Mas o trabalho é provocativo porque sugere que alguns medicamentos para diabetes, que visam a proteína da superfície celular, podem ajudar a tratar a doença.

“Queremos divulgar essa descoberta rapidamente para que as pessoas possam testar sistematicamente se o DPP4, pode ser um objetivo [terapêutico] em pacientes com COVID”, diz o co-autor do estudo Svante Pääbo, geneticista evolucionista do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva.

Tal pesquisa intriga biólogos evolutivos porque mostra que os humanos modernos adquiriram rapidamente variantes genéticas de neandertais que ainda podem influenciar como alguns de nós respondemos às doenças de hoje. Um estudo de 2018 do geneticista populacional David Enard, da Universidade do Arizona, descobriu que humanos herdaram um número desproporcional de variantes Neandertais de genes imunes que têm como alvo os vírus de RNA como coronavírus, em comparação com genes que respondem ao vírus do DNA. Isso sugere que os neandertais sofriam de diferentes vírus de RNA do que os humanos modernos, e quando os dois acasalaram, nossos ancestrais pegaram novos patógenos dos neandertais, bem como genes imunológicos para combater esses micróbios. Ainda assim, o achado do DPP4 sugere que variantes genéticas “que eram adaptativas no passado, podem ser prejudiciais, após mudanças no estilo de vida e no ambiente”, diz o geneticista populacional Lluis Quintana-Murci, do Instituto Pasteur.

Essa pesquisa intriga os biólogos evolucionistas porque mostra que os humanos modernos rapidamente adquiriram variantes genéticas dos neandertais que ainda podem influenciar a forma como alguns de nós respondemos às doenças hoje. Um estudo de 2018 do geneticista populacional David Enard, da Universidade do Arizona, descobriu que os humanos vivos herdaram um número desproporcional de variantes Neandertais de genes imunológicos que têm como alvo os vírus de RNA como coronavírus, em comparação com genes que respondem aos vírus de DNA. Isso sugere que os neandertais sofriam de vírus de RNA diferentes dos humanos modernos e quando nossos ancestrais se acasalaram com neandertais, pegaram novos patógenos, bem como genes imunológicos para lutar contra esses micróbios.

Ainda assim, a descoberta do DPP4 sugere variantes do gene “que eram adaptáveis ​​no passado, e atualmente podem ser prejudiciais, após mudanças no estilo de vida e de ambiente”, diz o geneticista populacional Lluis Quintana-Murci do Instituto Pasteur.

Compartilhe


Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Mudanças climáticas impactam na produtividade agrícola em 21% desde a década de 1960

EUA, Japão e Coreia do Sul se reunirão hoje para discutir sobre a Coreia do Norte

Idoso sul-coreano morre após receber vacina da Pfizer

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?