Skip to content

Cientistas mostram como é a solidão no cérebro

Cientistas mostram como é a solidão no cérebro
Esta temporada de férias será solitária para muitas pessoas, pois o distanciamento social devido ao COVID-19 continua, e é importante entender como o isolamento

Esta temporada de férias será solitária para muitas pessoas, pois o distanciamento social devido ao COVID-19 continua, e é importante entender como o isolamento afeta nossa saúde. Um novo estudo mostra uma espécie de assinatura no cérebro de pessoas solitárias que as tornam distintas de maneiras fundamentais, baseadas em variações no volume de diferentes regiões cerebrais e com base em como essas regiões se comunicam entre si através de redes cerebrais.

Uma equipe de pesquisadores examinou os dados de ressonância magnética (RMS),genética e autoavaliações psicológicas de aproximadamente 40.000 adultos de meia-idade e idosos que se voluntariaram para ter suas informações incluídas no Uk Biobank: um banco de dados de acesso aberto disponível para cientistas de saúde em todo o mundo. Eles então compararam os dados de ressonância magnética dos participantes que relataram muitas vezes sentir-se solitários com aqueles que não o fizeram.

Science Tech News

Os pesquisadores encontraram várias diferenças no cérebro de pessoas solitárias. Essas manifestações cerebrais estavam centradas no que é chamado de rede padrão: um conjunto de regiões cerebrais envolvidas em pensamentos internos, como relembrar, planejar futuros, imaginar e pensar sobre os outros. Os pesquisadores descobriram que as redes padrão de pessoas solitárias estavam mais fortemente conectadas e surpreendentemente, seu volume de matéria cinzenta em regiões da rede padrão era maior. A solidão também se correlaciona com as diferenças no fornix: um feixe de fibras nervosas que transporta sinais do hipocampo para a rede padrão. Em pessoas solitárias, a estrutura deste trato de fibras foi melhor preservada.

Usamos a rede padrão ao lembrar do passado, vislumbrar o futuro ou pensar em um presente hipotético. O fato de a estrutura e a função dessa rede estar positivamente associadas à solidão pode mostrar porque pessoas solitárias são mais propensas a usar a imaginação, memórias do passado ou esperanças para o futuro superar seu isolamento social.

“Na ausência de experiências sociais desejadas, os indivíduos solitários podem ser tendenciosos em relação a pensamentos direcionados internamente, como relembrar ou imaginar experiências sociais. Sabemos que essas habilidades cognitivas são mediadas pelas regiões cerebrais padrão da rede”, diz Nathan Spreng, do The Neuro (Montreal Neurological Institute-Hospital) da Universidade McGill, principal autor do estudo. “Portanto, esse foco aumentado na auto reflexão e possivelmente experiências sociais imaginadas, naturalmente envolveria as funções baseadas na memória da rede padrão.”

A solidão está sendo cada vez mais reconhecida como um grande problema de saúde,  estudos anteriores mostraram que pessoas mais velhas que experimentam solidão têm maior risco de declínio cognitivo e demência. Entender como a solidão se manifesta no cérebro pode ser a chave para prevenir doenças neurológicas e desenvolver melhores tratamentos.

“Estamos apenas começando a entender o impacto da solidão no cérebro. Expandir nossos conhecimentos nessa área nos ajudará a apreciar melhor a urgência de reduzir a solidão na sociedade atual”, diz Danilo Bzdok, pesquisador do Neuro e do Instituto de Inteligência Artificial de Quebec e autor sênior do estudo.

Este estudo foi publicado na revista Nature Communications em 15 de dezembro de 2020. Foi parcialmente financiado por uma subvenção para Spreng e Bzdok do Instituto Nacional de Envelhecimento dos EUA.

Fonte: Materiais fornecidos pela Universidade McGill.

Referências:

R. Nathan Spreng, Emile Dimas, Laetitia Mwilambwe-Tshilobo, Alain Dagher, Philipp Koellinger, Gideon Nave, Anthony Ong, Julius M. Kernbach, Thomas V. Wiecki, Tian Ge, Yue Li, Avram J. Holmes, B. T. Thomas Yeo, Gary R. Turner, Robin I.M. Dunbar, Danilo Bzdok. A rede padrão do cérebro humano está associada ao isolamento social percebido. Nature Communications, 2020

Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Leia fatos científicos, não ficção... Nunca houve um momento mais importante para valorizar o conhecimento baseado em evidências e apresentar os avanços científicos e tecnológicos.

Regdanvimab promissora terapia de anticorpos para tratamento de pacientes com coronavírus

Cientistas descobrem uma nova classe de células de memória no cérebro

Uma rede artificial mantida na ‘Borda do Caos’ age como um cérebro humano

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?