Skip to content

O ambiente habitável em Marte pode ter sido vários quilômetros abaixo da sua superfície

O ambiente habitável em Marte pode ter sido vários quilômetros abaixo da sua superfície
A região mais habitável para a vida em Marte teria sido vários quilômetros abaixo da sua superfície, provavelmente devido ao derretimento subsuperficial de espessas

A região mais habitável para a vida em Marte teria sido vários quilômetros abaixo da sua superfície, provavelmente devido ao derretimento subsuperficial de espessas camadas de gelo alimentadas pelo calor geotérmico, concluiu um estudo liderado pela Universidade de Rutgers.

O estudo publicado na revista Science Advances, pode ajudar a resolver o que é conhecido como paradoxo do Sol fraco e jovem, uma questão-chave pertinente na ciência de Marte.

“Mesmo que gases de efeito de estufa, como dióxido de carbono e vapor de água, sejam ‘bombeados’ para a atmosfera marciana primitiva em simulações de computador, os modelos climáticos ainda lutam para sustentar um Marte quente e úmida” disse o autor Lujendra Ojha, professor assistente do Departamento de Ciências da Terra e Planetárias da Escola de Artes e Ciências da Universidade de Rutgers, New Brunsiwck. “Eu e os meus coautores propomos que o paradoxo do Sol fraco e jovem pode ser reconciliado, pelo menos em parte, caso Marte tenha tido alto calor geotérmico no seu passado.”

O nosso Sol é um enorme reator de fusão nuclear que gera energia pela fusão do hidrogênio em hélio. Com o tempo, o Sol aumentou gradualmente de brilho e aqueceu a superfície dos planetas no nosso Sistema Solar. Há cerca de 4 mil milhões de anos, o Sol era muito mais fraco, e o clima primitivo de Marte devia ser ainda mais gelado. No entanto, a superfície de Marte tem muitos indicadores geológicos, como antigos leitos de rios, e indicadores químicos, como minerais relacionados com a água, que sugerem que o Planeta Vermelho teve água líquida abundante há 4,1-3,7 mil milhões de anos (a era Noachian). Esta aparente contradição entre o registo geológico e os modelos climáticos é o paradoxo do Sol fraco e jovem.

Em planetas rochosos como Marte, a Terra, Vénus e Mercúrio, elementos produtores de calor como urânio, tório e potássio geram calor por decaimento radioativo. Nesse cenário, a água líquida pode ser gerada através do derretimento no fundo de espessas camadas de gelo, mesmo quando o Sol era mais fraco do que agora. Na Terra, por exemplo, o calor geotérmico formava lagos substanciais em áreas do manto gelado da Antártica Ocidental, Gronelândia e Ártico Canadiano. É provável que um derretimento semelhante possa ajudar a explicar a presença de água líquida no frio e gelado Marte há 4 mil milhões de anos.

Os cientistas examinaram vários conjuntos de dados de Marte para ver se o aquecimento via calor geotérmico teria sido possível na era Noachian. Eles mostraram que as condições necessárias para o derretimento subterrâneo seria onipresentes no antigo marte. Mesmo se Marte tivesse um clima quente e úmido há 4 mil milhões de anos, com a perda do campo magnético, a diminuição da espessura atmosférica e a subsequente queda nas temperaturas globais ao longo do tempo, a água líquida pode ter permanecido estável apenas a grandes profundidades. Portanto a vida, se é que alguma vez existiu em Marte, pode ter seguido a água líquida até vários quilômetros abaixo da sua superfície.

“Nesta profundidade a vida pode ter sido sustentada por atividade hidrotermal (aquecimento) e por reações rocha-água,” disse Ojha. “Portanto, o ambiente habitável de vida em Marte pode ter sido abaixo do solo.”

Inscreva-se a nossa newsletter e fique atualizado sobre noticias e novidades!


Publicado por:
Apaixonado por ciência e tecnologia além de programação é claro! Fundador do site Science Tech News.

Planetas com a massa da Terra estão à deriva na Via Láctea

Argila de Marte sugere que o planeta pode ter sido habitável por até um milhão de anos

Lacuna no tamanho do Exoplaneta muda com a idade

Deixe uma resposta


Nome de usuário ou senha incorretos. Perdeu a senha?

Você precisa fazer o login para publicar um comentário. Não tem conta?